O Três Tipos de Ordem que Tornam as Crianças Tranquilas

É universal. Todos nós, pais de crianças pequenas, nos perguntamos de vez em quando: Por que algumas crianças são tão tranquilas, e outras sentem tanto desespero?. Às vezes, as crianças se sentem muito tranquilas na escola, mas são agitadas em casa, ou o contrário, e às vezes se sentem mais em paz com alguns adultos do que com outros. É claro que há diversos fatores que precisariam ser levados em conta para uma resposta completa para essa pergunta. Mas Montessori expõe um dos mais importantes no seu livro A Criança.

Nele, Montessori explica que a ordem é uma necessidade da criança pequena. E isso é verdade especialmente até os três ou quatro anos. Nós não estamos acostumados a pensar nas crianças como seres organizados. E isso é porque no começo elas não são, mesmo.

As crianças bem pequenas estão desenvolvendo ordem interior. Elas dependem da ordem no mundo para conseguir desenvolver a mesma característica no pensamento. E aí, depois que estiver formada dentro da criança, ela se expressa em seu comportamento.

A criança acabou de chegar no mundo. Mesmo que ela tenha dois ou três anos, só faz dois ou três anos que ela está descobrindo como o mundo funciona. E para entender o mundo, isso é pouco. Uma das maiores ajudas que nós podemos dar é tornar esse mundo o mais regular e previsível possível.

Montessori indica, em extensa obra, três formas de ordem essenciais para a criança pequena, que nós exploramos neste texto, para aprender a ajudar a criança de todas essas maneiras.

1. Ordem no Ambiente

Por isso, manter a casa, ou a sala de aula, em ordem, é essencial. “Em ordem” quer dizer organizado, mas também quer dizer previsível. As coisas precisam ter o seu lugar (organização), mas mais do que isso, o lugar das coisas deve ser sempre o mesmo (previsibilidade).

Na escola, é possível manter o ambiente meticulosamente organizado, porque aquele ambiente é das crianças. Em casa pode ser mais difícil, porque o ambiente é compartilhado por crianças e adultos. Pode ser que haja uma pequena pilha de pratos na pia, ou alguns livros abertos em uma mesa, ou algumas roupas sobre uma cadeira.

Mais importante do que não ter nenhum prato fora do lugar é que a pilha de pratos fique só na pia. Mais do que não ter nenhum livro fora da estante, que essa bagunça de livros e cadernos fique só na mesa. E que as roupas fiquem só na cadeira, e não espalhadas por quatro cômodos e cinco superfícies diferentes.

Se a criança puder encontrar as coisas sempre nos mesmos lugares, pode ter certeza de que o mundo é hoje do mesmo jeito que era ontem, e pode se sentir segura e tranquila.

2. Ordem no Tempo

Da mesma forma que a criança não conhece o mundo físico, também não tem uma ideia clara do que seja o tempo, e muito menos de suas divisões, em dia e noite, horas, semanas. Para ela, é um fluxo contínuo. E ajuda muito se nós pudermos marcar esse fluxo com rituais que indiquem a repetição de ciclos. Isso quer dizer que a criança precisa de rotina.

Mas a rotina da criança não deve ser a do relógio: 7h30 é hora de acordar, 7h45 é hora do café da manhã… Não. A criança pequena não sabe ver horas. O mais importante para ela é que as mesmas coisas aconteçam na mesma sequência e do mesmo jeito.

Se ela puder ter certeza de que, não importa o dia, vai acordar, tomar café da manhã, escovar os dentes, se trocar, pegar a mochila… Isso traz enorme sossego para as manhãs. O mesmo vale para as noites, que se tiverem rituais fixos ajudam o sono a chegar com muito mais tranquilidade.

O meio do dia pode ser irregular, porque existem dias úteis e finais de semana, viagens, feriados e férias. Garanta as pontas: as primeiras horas da manhã e as últimas da noite. Se o meio variar, mas as pontas forem mantidas, isso vai dar para a criança alguma referência e segurança, e vai ajudar a se sentir em paz.

3. Ordem na Conduta do Adulto

Finalmente, é claro que não adianta muito garantir a ordem em tudo, menos na interação humana. As crianças precisam saber o que esperar de nós. Precisam saber se vamos reagir com equilíbrio ou com intensidade, se vamos aprovar algo ou não.

Nós temos dificuldades em colocar limites para as crianças porque achamos que eles podem depender do nosso humor. Em dias de bom humor, permitimos mais. Em dias de cansaço, permitimos mais. Em dias de mau humor e estresse, permitimos muito menos. Isso é confuso para a criança, que está começando a aprender o que é certo e o que é errado.

Perceba que: se às vezes é permitido e às vezes não é, então não é errado, necessariamente. Para a criança, é importante que tenhamos regras estáveis e um comportamento previsível. É claro que é muito importante manter a calma e se expressar com a mesma serenidade que esperamos dos nossos filhos, ou alunos. Mas junto a isso, é fundamental que a criança possa saber, com clareza, o que aprovamos e o que não aprovamos.

Limites trazem tranquilidade, porque a criança sabe até onde pode ir com suas ações, com segurança emocional.

A Criança Tranquila

A raíz da palavra tranquilidade significava “descansar”. É cansativo para a criança o esforço contínuo de entender o mundo, se ele é desordenado. Quando lhe damos alguma ordem, a criança fica tranquila porque fica descansada, no sentido radical da palavra.

É claro que exige empenho, por parte do adulto, garantir que a casa, a rotina e nosso próprio comportamento sejam organizados e previsíveis. Mas o esforço vale a pena. Você vai notar que mais da metade dos “choros sem motivo” desaparecem. Eles tinham motivo, a gente só não sabia. Muito daquilo que a gente chama de “birra” desaparece também, porque não era birra, era desespero diante do um mundo incompreensível.

Você verá uma criança renovada, mais feliz, mais sossegada, compreensiva, calma, segura e corajosa. Tudo isso. De verdade. Porque é isso que acontece quando a criança sabe o que esperar do mundo: ela tem a força do conhecimento do mundo. Tanto para ser serena quanto para ser corajosa. Se não for pedir muito, venha aqui no Lar Montessori contar o que mudou depois que a ordem passou a fazer parte da sua casa!


A ordem e outros temas essenciais para a tranquilidade da criança são explorados no curso que criei para ajudar outras famílias a também viverem em paz com seus filhos. Se quiser, clique abaixo e conheça:


Este texto é baseado no capítulo 8 do livro A Criança, de Maria Montessori, A ordem.

Escrito por gabrielmsalomao

"A preparação que nosso método exige do professor é o auto-exame, a renúncia à tirania. Deve expelir do coração a ira e o orgulho, deve saber humilhar-se e revestir-se de caridade. Estas são as disposições que seu espírito deve adquirir, a base da balança, o indispensável ponto de apoio para seu equilíbrio. Nisso consiste a preparação interior, o ponto de partida e a meta." Maria Montessori, em A Criança

um comentário

  1. Texto sensacional, como sempre.
    Aqui em casa, desde que nosso primeiro filho nasceu, buscamos essa ordem. Confesso que a parte mais difícil é a que diz respeito a nós mesmos, mas vale a pena o investimento de tempo e trabalho.
    Quando nosso filho foi para a escola, a professora ficou admirada com a ‘tranquilidade’ dele e perguntou se ele é assim também em casa. E, sim, ele é tranquilo também em casa. Graças à ordem que buscamos desde o seu nascimento.

Deixe uma resposta