Férias Boas Dão Trabalho (para a Criança)

As crianças estão de férias. Não precisam acordar cedo para ir à escola, e não têm lição de casa para fazer. É uma delícia. A não ser por ficarem quase completamente sem rotina e o tédio aparecer o tempo todo, o que deixa as crianças desnorteadas e os adultos sobrecarregados. Como atravessar um mês de férias e oferecer às crianças férias realmente boas?

Quando crianças, algumas pessoas contam que visitavam os avós ou os tios em cidades menores, e participavam das atividades diárias, colhendo frutas no pé, alimentando os bichos e até cortando lenha ou trabalhando com os parentes. Muita gente lembra desses momentos como os mais queridos, quando ajudavam a pintar a casa, refazer um jardim ou construir alguma coisa importante.

Montessori explica, em Da Infância à Adolescência, que as pessoas não precisam de férias, e que o necessário é alternar as atividades, descansando de um tipo de esforço enquanto nos envolvemos em outro.

A vida nas cidades, nos apartamentos, e na cultura do “tudo já vem pronto” tira das crianças a chance de compartilhar do trabalho adulto, e transforma as férias em um longo período de fazer-nada. O adulto acha que gosta de não fazer nada, porque o tipo de trabalho do adulto pode ser exaustivo sem ser recompensador. Mas para a criança não é assim. Uma vida boa, para a criança, envolve fazer alguma coisa o tempo todo. Nós pensamos que oferecer férias boas à criança dá trabalho. E dá, mesmo. Mas não para nós. Férias boas são aquelas que fazem a criança trabalhar.

Importante: “Trabalho”, em Montessori, não significa ser obrigado a fazer alguma coisa em troca de dinheiro. O sentido de trabalho para Montessori, e para a criança, é se envolver em esforços significativos, interessantes, que absorvam a atenção da criança e permitam a ela alcançar estados de concentração, bem-estar e realização.

Nós já estamos quase no meio do mês de julho, mas ainda dá tempo de fazer muita coisa, para transformar essas férias em um período delicioso na vida das crianças. Este é um texto de sugestões, e nós vamos focar em tudo que pode acontecer dentro de casa. Mas é claro que você pode e deve continuar passeando com seus filhos, tanto quanto possível, e aproveitando o período para conhecer lugares novos e se divertir na companhia dele! (Se você é dos que viajam, vai ver que muitas coisas podem acontecer até mesmo em um hotel).

1. Cozinhar juntos

As férias oferecem um pouco mais de tempo na vida da criança para aprender coisas difíceis. Pode ser que durante as aulas o almoço precise ser rápido e o jantar também. Nas férias, até o café da manhã pode ser longo e lento. As crianças podem começar a aprender tudo que gira em volta de sua alimentação. Desde comprar verduras e frutas no mercado, até passar manteiga no pão, preparar um suco ou cozinhar arroz e ovos. Dá para ir mais longe e aprender a seguir uma receita de bolo, pegar uma bandeja quente no forno e colocar uma mesa para toda a família. Comece do que for fácil, e adicione dificuldades muito devagar. Permita à criança fazer sozinha tudo o que ela achar que consegue fazer, interrompa o mínimo possível e assista à construção da confiança do seu filho nas habilidades que ele tem.

2. Cuidar da Vida

Você tem uma planta? Seu filho pode cuidar dela. Ou dos bichinhos. Não tem uma planta ainda? Esse pode ser um bom presente de férias para sua casa, seu filho e você. Um canteiro na varanda, uma horta de janela, ou vasinhos pela casa oferecem muito o que fazer: regar, tirar ervas daninhas, limpar as folhas, e observar o crescimento e o bem-estar dos novos habitantes da casa. Não é uma boa ideia comprar um bichinho pensando só nas férias, porque depois a vida volta ao normal, e não queremos um bichinho sem atenção em casa. Mas se você já tem um, ou se amigos da família foram viajar e deixaram um aos seus cuidados, seu filho pode ter um novo amigo, dando a ração, limpando a água do aquário ou os resultados de uma boa refeição e da água que o bichinho tomou. De novo, demonstre tudo com cuidado e devagar, e deixe que seu filho faça sozinho, sem ajuda nem interrupção, tudo o que ele achar interessante.

3. Vamos consertar?

Tem um móvel descascando, uma cadeira com um parafuso a menos, ou um quadro que caiu da parede? Seu filho pode acompanhar você, e ser um belo auxiliar em todos os consertos da casa! Ele talvez não possa atarraxar uma lâmpada no teto, mas pode passar a lâmpada para você, que está na escada. Pode lixar um pedaço de madeira, e pintar também. Consegue costurar, pregar botões, ou pelo menos colocar a linha na agulha e procurar o botão certo com você. Com um pouquinho de treino usando uma placa grossa de EVA e um martelinho de madeira, seu filho pode aprender a pregar, inclusive. Ele (ou ela!) pode ajudar a encontrar ferramentas necessárias, cortar pedaços de fita, despejar cola, limpar pincéis e desdobrar jornal para forrar o chão. Na verdade, a criança pode fazer tudo, desde que nós demonstremos, e desde que ela possa superar uma nova dificuldade de cada vez, com liberdade para tentar, errar e repetir.

4. Organizar é importante

Por mais que as férias sejam um período de liberdade, a criança vive melhor em ambientes organizados. Por isso, vale a pena integrar à rotina um momento de organização das coisas, para que seu filho encontre tudo o que desejar no momento que quiser, e possa se dedicar a esforços mais importantes do que adivinhar onde está cada objeto procurado.

5. Planejar é divertido

Os pequenos podem colaborar no planejamento de qualquer passeio. Se sua criança tem pelo menos três anos, pode pensar com você o que precisa ir na mochila a partir de uma lista que você dê para ele, com figuras de tudo. Se ela já é um pouquinho mais velha, com cinco ou seis, pode ajudar no roteiro de qualquer passeio, consegue colaborar em listas de compras e afazeres, e pode ganhar responsabilidades e deveres – por exemplo, fazendo a própria mochila ou preparando um sanduíche para levar no passeio.

Se a criança tiver a chance de trabalhar, os benefícios são tantos que fazer uma lista fica difícil. Primeiro, ela tem o que fazer, e isso é muito melhor do que não fazer nada. Segundo, o dia fica organizado em torno desses afazeres, o que estrutura a rotina. Terceiro, a sensação de companheirismo entre seus filhos e você é uma delícia para todo mundo. Quarto, ela tem a chance de se concentrar, de superar desafios, de construir habilidades e confiança em si mesma. Bom, você entendeu. Os benefícios são tantos que fazer a lista é difícil de verdade. Mas eu quero contar só mais um.

Se seu filho puder passar tempo com você nessas férias, fazendo coisas importantes, trabalhando, ele vai ter as melhores férias do mundo. Viajar é maravilhoso, e conhecer lugares novos também. Ir ao cinema, ao teatro e a museus é uma delícia e isso pode e deve fazer parte das férias. Mas o trabalho e as conquistas que ele traz, a sensação de realização e importância, e o prazer da sua companhia… isso vai fazer parte do seu filho, e das memórias dele, para sempre.


Durante o semestre, com a vida corrida, às vezes nos perdemos de nós mesmos. Use as férias e o segundo semestre deste ano como uma segunda chance. Se você já está matriculada em nosso curso, assista de novo e aproveite. Se não, matricule-se e redescubra como tornar a relação de vocês ainda mais alegre e pacífica.

Esse curso foi transformador, mesmo depois de ter feito vários outros cursos.

Jennifer Barbosa, mãe

Escrito por gabrielmsalomao

"A preparação que nosso método exige do professor é o auto-exame, a renúncia à tirania. Deve expelir do coração a ira e o orgulho, deve saber humilhar-se e revestir-se de caridade. Estas são as disposições que seu espírito deve adquirir, a base da balança, o indispensável ponto de apoio para seu equilíbrio. Nisso consiste a preparação interior, o ponto de partida e a meta." Maria Montessori, em A Criança

2 comentários

Deixe uma resposta