Porque Alguns Adultos se Ajoelham Diante das Crianças

Ficar de joelhos é uma forma universal de demonstrar respeito e reverência. Mas nem sempre é por isso que os adultos se ajoelham diante das crianças.

Maria Montessori escreveu que as crianças são superiores a nós, adultos, em razão de sua inocência e das maravilhosas possibilidades abertas em seu futuro. A criança se esforça dia e noite para a construção do ser humano, e parte do nada, de um bebê inerte e impotente, para depois de anos de trabalho alcançar um estágio elevado de independência e lucidez. Por si só, isso justificaria que nós nos colocássemos de joelhos diante delas. Mas há uma outra razão, um pouco menos nobre, mas muito mais prática.

As crianças nos escutam melhor quando estamos ajoelhados.

Escutam melhor mesmo, fisicamente, porque o som parte de uma fonte muito mais próxima de seus ouvidos.

Mas também escutam melhor no sentido de prestar mais atenção, e entender mais.

Quando estamos em pé, as crianças veem muito mais o nosso queixo e a parte de dentro de nossas narinas, do que a expressão em nosso rosto, por exemplo. E uma parte muito importante da comunicação não é verbal. Nós entendemos muito olhando o rosto de quem fala conosco.

Se juntarmos as duas coisas: uma transmissão melhor do som porque o falante e o ouvinte estão próximos, com as expressões faciais mais nítidas, já bastaria para a criança nos entender melhor quando ajoelhamos. Mas acontece que, quando ajoelhamos, tomamos mais cuidado com o que dizemos, e isso torna as coisas ainda mais interessantes.

Quando falamos em pé, nossos filhos não nos veem, mas nós também não vemos nossos filhos. Ninguém percebe as emoções de ninguém. Quando nos damos o trabalho de ajoelhar, isso exige uma pequena pausa na pressa, na raiva, ou na ansiedade. E essa pausa nos dá clareza. Depois, quando já estamos ajoelhados, e começamos a falar, vemos as expressões no rosto de nossa criança, e também entendemos muito mesmo quando ela não fala nada. Sabemos o que sente, um pouco do que pensa, e se entendeu o que nós dissemos.

Costumo dizer que a revolução da criança acontece com os adultos todos ajoelhados. Temos motivos de sobra para ficar de joelhos. Só ficando de joelhos nós podemos montar um bom ambiente infantil, porque olhamos para ele do ponto de vista da criança. Só de joelhos podemos ter uma boa conversa com elas, de igual para igual. E é de joelhos que elas nos entendem mais e nós entendemos mais delas.

No começo dá trabalho. É mudar um hábito. Mas experimente. Da próxima vez que precisar dizer algo importante aos seus filhos, ajoelhe-se. Veja como tudo muda. E volte para contar como foi!


Quer descobrir mais sobre os caminhos para viver bem com seus filhos? Veja o que algumas famílias disseram sobre nosso curso Montessori: Viver em Paz com Crianças:

Curso maravilhoso. Gabriel consegue em pouco tempo contemplar muitos assuntos, trazer referências às obras e ainda tocar e emocionar a quem está assistindo. Parabéns!

Inara Felix, Mãe

Quero agradecer imensamente ao Gabriel Salomão por dividir toda sua sabedoria, esse curso foi transformador, mesmo depois de ter feito vários outros cursos, pude aprender demais nesse também! A frase “Birra não existe! O que existe é desespero e revolta” já foi para a parede de anotações e ficará lá…

Jennifer Barbosa, Mãe

Escrito por gabrielmsalomao

"A preparação que nosso método exige do professor é o auto-exame, a renúncia à tirania. Deve expelir do coração a ira e o orgulho, deve saber humilhar-se e revestir-se de caridade. Estas são as disposições que seu espírito deve adquirir, a base da balança, o indispensável ponto de apoio para seu equilíbrio. Nisso consiste a preparação interior, o ponto de partida e a meta." Maria Montessori, em A Criança

Deixe uma resposta