Nosso Curso em Fortaleza

Antes de iniciar este texto, eu gostaria de pedir desculpas a quem acompanha o Lar Montessori semanalmente e, há quinze dias, dá pela falta de artigos aqui. Foi tudo muito corrido e este texto deve deixar claro o porquê. A partir deste final de semana, tudo volta ao normal – com este texto e mais um a ser publicado até domingo. Obrigado pela compreensão de todos vocês.

Há algum tempo fui convidado para dar um curso de Introdução ao Método Montessori pelos Pais do Ben. O convite era claro: introduzir Montessori a um número de famílias de Fortaleza e arredores. Aceitei e imediatamente comecei a buscar se havia outros cursos de Montessori para famílias que tivessem acontecido no Brasil. Não encontrei nada com uma proposta semelhante à dos Pais do Ben e do Lar Montessori, então colocamos mãos à obra para construir algo – um tanto do zero, mas com a certeza de que só poderia dar certo, afinal, eu estava sobre os ombros de gigantes.

Montei o curso para quinze horas. Um dia e meio – o primeiro teórico, o segundo prático. Mas quando as famílias foram se inscrevendo e conversando com os Pais do Ben, ficou claro que era demais. Eu tinha de reduzir para dez horas. Tudo bem, redução feita, às custas de muito pensamento para não excluir conteúdos e reformular os agrupamentos de tópicos, afim de poder explorar todo o necessário para uma boa introdução. Chegando lá, e revendo o que eu já sabia sobre localização e horário, vi que tinha calculado errado: eram oito horas. Não dava para mudar mais nada e era véspera do curso. Apostei que as famílias talvez aceitassem ficar duas horas a mais, ou que eu talvez e acidentalmente fosse conseguir falar mais rápido ou usar menos reiterações e metáforas.

Durante a manhã, conversamos muito sobre a vida de Maria Montessori, a autoeducação e a educação cósmica, o preparo do adulto e muito rapidamente o preparo do ambiente – esses dois últimos tópicos receberiam duas horas cada um no final do curso. Inicialmente, é difícil acreditar em tudo o que o método faz, e é muito difícil acreditar em tudo o que acontece com a criança sem ver de fato uma sala montessoriana. Por isso, vimos alguns vídeos de ambientes preparados ao redor do mundo, com crianças trabalhando ativamente.

Começando às nove horas da manhã, ao meio dia eu já tinha duas horas de conteúdos atrasados. Fui almoçar desesperado. Durante o almoço continuamos a debater Montessori e uma dúvida colocada me despertou uma forma de reorganizar todo o conteúdo sobre a criança. Eu havia dividido os conteúdos sobre a psicologia infantil quando – deveria saber – nada na criança se separa. É tudo um todo em desenvolvimento perfeito. E a solução para minhas duas horas foi essa: explorar a psicologia da infância como o todo que ela de fato é. Isso permitiu passar pelos Períodos Sensíveis, pelo Equilíbrio Natural da Criança e pelos Planos do Desenvolvimento no tempo adequado e nos deu a visão geral que se precisa ter para compreender a criança.

Deste momento em diante, o curso foi construído sobre perguntas e respostas, e eu me lembrei do que disse Montessori em 1913, na ocasião de seu primeiro curso internacional, há exatos cem anos. Ela, refletindo com seus alunos sobre a estrutura do curso, disse que não a queria rígida, porque nós pensamos sempre, e a depender dos alunos, dela e do que todos precisassem, tudo poderia ser alterado. Então ela expôs temas básicos, mas com uma margem de trabalho considerável – exatamente como uma criança, trabalhando em uma sala montessoriana. Talvez tenha sido isso a me deixar tão realizado. O trabalho que eu estava fazendo, que nós fizemos juntos, era livre, aberto, com bases firmes, mas com margem para espontaneidade e, mais importante, respondia às necessidades internas de todos nós. Assim, estávamos sérios, concentrados e felizes, como uma criança de três anos que corta cenouras para oferecer aos colegas.

À tarde conversamos sobre a criança, depois sobre o ambiente, vimos as fotos do How We Montessori e discutimos sobre cada ambiente até todos compreenderem como os seus espaços poderiam ser adaptados. Houve muita troca entre as famílias – o que é especialmente proveitoso e belo. Depois, estudamos a forma de apresentação de atividades de Vida Prática em casa. Vimos como se ensina os primeiros passos para o uso da colher, da faca, dos pegadores. Como se dobra uma roupa e como se abotoa uma camisa. Tudo isso, para que os pais possam apresentar às crianças todas as atividades da vida de uma maneira mais clara, permitindo à criança mais tranquilidade e alegria de viver. Essa parte do curso foi especialmente bela porque algumas crianças interferiram, deixando claro para todos nós que as atividades de fato lhes eram atrativas e interessantes. Foi aí que todo mundo realmente entendeu que O Método Montessori segue os caminhos da Natureza, como disse, sabiamente, E.M. Standing.

No fim do dia, conversamos sobre o adulto preparado. Foi sério e difícil, mas, para mim, emocionante. Poder levar adiante a mensagem de Montessori sobre a importância das crianças e sobre o amor, o respeito e a reverência que devemos ter pelos pequenos é o que há de mais gostoso em minha vida profissional. As descobertas de Montessori nos permitem muito mais do que excelentes salas de aula – com elas, é realmente possível mudar o mundo, e enxergar essa mudança em cada criança pequena. O adulto e a transformação do adulto, nesse sentido, são fundamentais, e os debates que tivemos neste módulo do curso foi precioso.

No fim, ficamos com uma hora de tranquilidade, ainda, para debatermos muitas dúvidas que surgiram e explorarmos temas tangenciais, como a tecnologia, os prêmios e os castigos, a rotina e tantos outros. Afinal, nem tudo cabe em oito horas. As fotos logo vêm para mim e eu colocarei algumas aqui, cheio de alegria. Por enquanto, ficou a vontade de voltar e ficou a vontade de aprender mais. Este foi, temos certeza, o primeiro de muitos cursos de Montessori para famílias no Brasil – e é um prazer imenso poder dividir isso com você.

Minha gratidão ao povo do Ceará, que me recebeu tão bem, a todos aqueles que aderiram ao curso e estiveram lá com afinco e vontade de aprender, especialmente aos que foram de longe até Fortaleza, para aproveitar esta primeira oportunidade. Minha gratidão especial à família de Dona Ivone que me recebeu carinhosamente e aos organizadores do curso que fizeram um trabalho primoroso e sem antecedentes em nossa pátria, Mayara e Pedro, os Pais do Ben.

Há dois anos eu não imaginava que um dia poderia dizer, mas:

Obrigado, e até o próximo artigo do Lar Montessori, até o próximo Círculo de Estudos e até o próximo Curso de Montessori para Famílias!

Gabriel


11 comentários sobre “Nosso Curso em Fortaleza

  1. Ola Gabriel,

    Foi maravilhoso ler esse post e relembrar tudo outra vez. O encontro foi muito emocionante e produtivo para nos. Como curso introdutorio nos esclareceu muitas questoes fundamentais sobre o metodo, porem nos deixou com desejo de mais. Vontade de saber mais sobre o desenvolvimento infantil, de aprofundar nos pilares do metodo. Aguardamos voce novamente aqui no Ceara para compartilhar conosco sua experiencia com as criancas. Isso foi muito valioso para nos. As familias que acompanham o blog recomendo, invistam na organizacao de um curso como este em sua cidade. Vale muito a pena! As vezes nos sentimos um pouco perdidos quanto a educacao de nossos filhos. A escola Montessoriana tem demonstrado ser um lugar muito propicio para o desenvolvimento harmonioso e feliz para muitas criancas que tem a oportunidade de frequenta-las. Por que nao trazer esse metodo para dentro de nossos lares tambem? Nao podemos nos conformar com pouco, especialmente quando se trata de nossos filhos.
    Obrigada Gabriel pela sua generosidade. Esses dias de convivencia com voce provou o quanto o metodo pode ser util na formacao de adultos preparados. Sua elegancia, educacao, simpatia e humildade certamente sao frutos de uma educacao montessoriana tambem. Ben manda cumprimentos tambem ta? Ele ficou encantado contigo. rs.

    Grande abraco querido e ate o proximo!

  2. Se foi especial pra você, que está em contato com o método a todo instante e há muito tempo, imagine pra nós, que estavámos ansiosos pela sua chegada e para saber mais e mais sobre o amor e o respeito às crianças. Muita coisa já mudou em nossas vidas desde aquele sábado. Obrigado por passar adiante essa mensagem tão bela! E volte mais vezes!
    Aline.

  3. Gabriel, o texto mostra o quão emocionante foi o curso dado por ti em Fortaleza. Que trabalho edificante! Com certeza dará bons frutos. Parabéns! O meu maior desafio é ser um adulto preparado. Por enquanto eu me sinto pisando em ovos ao praticar o método Montessori. Mas o teu blog tem me ajudado muito. Portanto, eu agradeço por isso e tudo que ainda postará para engrandecer nosso conhecimento sobre Montessori.

  4. Meu amigo querido, como tenho orgulho de você!
    Em breve, muito em breve acho q precisaríamos de um curso desses em Campo Grande!
    Parabéns por ser um instrumento de amor, paz e boas novas na vida das famílias
    Um abraço de amiga-irmã,
    Ariane Osshiro

  5. Gabriel, tenho filhos na Escola Maria Montessori em Brasília e estou cada vez mais apaixonada pelo método. Conheci o blog recentemente e também entrei no grupo “Montessori para mamães” no facebook. Vi dois vídeos seus (aula 1 e aula 2) e adorei. Gostaria muuuuuito de fazer esse curso para pais. Alguma chance de você vir a Brasília este ano?
    Obrigada,
    Larissa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s