Assinatura RSS

Sobre Montessori e Não Ajudar Crianças

Maria Montessori dizia: “Nunca ajude uma criança em algo que ela acredita que pode fazer sozinha”. Mas neste texto eu quero falar de outra coisa. Quero falar sobre não ajudar a criança mesmo quando ela não acredita que pode fazer sozinha. É estranho e difícil, mas vamos juntos.

No mundo ideal, todas as crianças teriam lares montessorianos com famílias cheias de tempo e escolas montessorianas com professores muito bem formados. No mundo do nosso dia a dia, não é assim sempre. Se no mundo ideal, todas as crianças se desenvolveriam bem, com autoestima forte, independência ativa e poder sobre a próprias ações, no mundo do dia a dia quase todas elas vivem enclausuradas em mundos de fantasia, dependência e inércia por anos a fio – até que um dia algo muda em nós, e decidimos ajudar a independência a acontecer.

Nessa altura (na altura dos quatro, cinco, sete, nove anos), a criança já está mais do que acostumada a ser incapaz e incapacitada, nula e anulada, e ajudada o tempo todo. Ela já perdeu a confiança na própria força e na própria ação faz muito tempo. E é nesse cenário triste que entramos, querendo transferir a ela responsabilidades importantes que por tempo demais, percebemos, roubamos para nós. E aí é difícil, porque ela acredita, sinceramente, que não pode, não consegue e não deve se esforçar para poder e conseguir. Precisamos do triplo de paciência que precisaríamos se tivéssemos agido corretamente desde o começo, mas há trabalho a fazer e paciência a cultivar, e vamos em frente.

Dois Modos de Não Ajudar

Há, é claro, mais de uma maneira de não ajudar crianças. Uma é não dar importância ou estar impossibilitado de ser de ajuda a ela: é o caso de adultos que preferem deixar a criança fazer como quiser ou puder a serem eles a ter o tempo ocupado pelas necessidades infantis, e também o caso do adulto que adoraria estar com a criança, mas trabalha de sol a sol, e as crianças precisam ser independentes para sobreviverem.

Outra forma de não ajudar crianças, aquela que defendemos em Montessori, exige a presença total de um adulto que faz três coisas: prepara o ambiente e os objetos; demonstra ou apresenta a forma correta de fazer; e observa a ação da criança. Isso é necessário em qualquer situação de não ajuda.

Em uma situação boa, em que a criança seja ainda nova (até mais ou menos três anos) e esteja começando a conquistar sua independência física, basta a demonstração e a disponibilidade dos objetos necessários, e se não houver maiores empecilhos, a criança busca a ação independente. Nós vamos tratar do outro caso.

É comum que uma criança de cinco anos não acredite que é capaz de fazer qualquer coisa por si mesma, porque fizemos por ela, ou com ela, por muito mais tempo do que ela precisava que fizéssemos. Nesse caso, a experiência me mostrou que há alguns passos a seguir:

Primeiro, é necessário picar a ação em pedaços ainda menores. Se, por exemplo, o desafio é colocar uma camiseta, para uma criança que não acredita em si, colocar uma camiseta é muito. Então picamos. Ela precisa só colocar a cabeça, o resto nós fazemos com ela. No outro dia, a cabeça e o segundo braço, depois a cabeça e o primeiro, e depois a cabeça e os dois braços.

Aos poucos, ela conseguirá fazer tudo, mas é muito possível que ainda insista que não consegue, e não aceite nossas afirmações de que ela é capaz, sim. Nesses casos, novamente a experiência me ensinou alguns passos possíveis.

Podemos só insistir: “Consegue sim, coloca”. Ou podemos insistir nos passos: “Claro que consegue, vamos, a cabeça, isso, agora um braço… o outro… [sorriso]!”. Ainda podemos narrar: “Vamos lá, coloca a cabeça, isso, pelo buraco, agora vamos achar o buraco da manga. Esse. Um braço… agora vamos… isso, no outro, vai lá… pronto? Então tá bem”. Em todos esses casos, o que fazemos é uma coisa só: garantir que a criança não foi abandonada porque foi independente.

A criança que depende do adulto por tempo demais desenvolve em relação a ele um apego que nada tem daquele apego importante e saudável da relação entre pais e filhos. Trata-se de um apego feito todo de dependência e insegurança. A criança tem mesmo medo de, num momento qualquer, não poder mais contar com o adulto. E a forma de dar a ela a garantia de que isso não acontecerá mesmo que ela avance rumo à independência é transformar a ação física em ação narrativa. Ficamos por perto, participando da experiência com a voz. Até que, claro, não ficamos mais.

Há momentos em que condicionar uma ação futura à independência presente ajuda. Por exemplo, para ir a um parque, é necessário vestir as meias. A criança pode insistir que não sabe – mesmo sabendo – vestir as meias. E nós podemos explicar que para ir ao parque é necessário estar de meias, e que nós sabemos que ela é capaz e vamos ficar por perto, junto, até ela conseguir para a gente sair junto para o parque. Não se trata de uma ameaça ou uma chantagem. Ninguém vai deixar de ir ao parque. Ninguém disse que se ela não colocar a meia sozinha não vai ter parque. Não. Dissemos que meias são necessárias e ficaremos por perto até ela conseguir. Oferecemos a justificativa para o esforço e a presença para a segurança emocional.

Isso parece contrariar a teoria básica de Montessori porque contraria mesmo. Nesse caso, estamos consertando algo que não deu certo – estamos tratando de feridas. Os cuidados para com um enfermo não são os cuidados para com alguém que está bem de saúde, e a não-ajuda da criança excessivamente independente é diferente, pela mesma razão, da não-ajuda oferecida à criança que conquista sua independência com tranquilidade.

O que nós não podemos fazer é decidir que, porque é muito mais rápido vestir a criança, ela vai ter que aprender a ser independente mais tarde. Não podemos decidir que “o que é que tem ele querer minha ajuda? Ele gosta!”. E não podemos decidir que “Eu quero é aproveitar agora que ele quer minha ajuda, depois não vai me querer nem por perto e eu vou sentir saudades”.

Porque isso importa

Não ajudar a criança é uma maneira de confiar nela. É confiar é uma forma de amar. É a certeza desse amor, dessa confiança completa depositada nela, que vai oferecer uma base segura sobre a qual pisar até que ela se torne independente o suficiente para firmar uma autoestima saudável e sólida, que não dependa mais de nossa narrativa nem de nossa aprovação.

Evitando o julgamento, a imposição e a chantagem, tratamos a criança com o máximo de respeito e a independência como um fator natural da vida, não mais desagradável do que qualquer outro, nem mais urgente por qualquer motivo. E sendo um fator natural da vida, ela perde seus perigos e pode ser conquistada com certeza e força interior.

A construção da independência é a construção do eu e a formação do humano. Nosso papel de não-ajudantes é crucial, e tanto mais urgente quanto mais tarde é na vida de uma criança. Negligenciar a importância da independência é um erro que não devemos cometer, claro. Mas se por desconhecimento ou impossibilidade esse tempo já passou, há muito o que fazer, e nós podemos acreditar na criança – esse parece ser um importante passo para que ela acredite nela mesma.

Até mais!

Sobre gabrielmsalomao

"A preparação que nosso método exige do professor é o auto-exame, a renúncia à tirania. Deve expelir do coração a ira e o orgulho, deve saber humilhar-se e revestir-se de caridade. Estas são as disposições que seu espírito deve adquirir, a base da balança, o indispensável ponto de apoio para seu equilíbrio. Nisso consiste a preparação interior, o ponto de partida e a meta." Maria Montessori, em A Criança

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: