Três Caminhos para Criar Adolescentes Realizados

A adolescência é confusa para os adultos. É difícil entender do que os jovens precisam para se sentirem completos. A boa notícia é que existem três segredos para uma boa adolescência. Três necessidades. Maria Montessori descobriu as três, e nos disse como ajudar o adolescente a ter uma vida mais plena e feliz.

Eu trabalhei com adolescentes dentro e fora de escolas. Sempre que usei o que Montessori ensinou vi jovens mais fortes, com um caráter mais firme, vontade de fazer e disposição para aprender e mudar. Em todos os lugares vivi transformações marcantes. Neste texto está o que há de mais precioso na descoberta de Montessori sobre as necessidades do adolescente.

Necessidade 1: Grupo

O adolescente, mais que a criança e o adulto, precisa de grupo. A adolescência é uma fase de conquista de independência social, os garotos e garotas dessa idade precisam fazer suas próprias descobertas sobre a vida em comunidade.

Os adolescentes vão sempre achar um grupo. Num grupo saudável o adolescente pode ser quem ele é de verdade, sem precisar “se encaixar”, e não corre riscos além daqueles necessários ao aprendizado da socialização. Vale dizer: um grupo somente virtual nunca é satisfatório de verdade.

Para ajudar nisso, criamos espaços: recebendo amigos dos filhos em casa, abrindo momentos na escola, na igreja, na academia, para que adolescentes se encontrem e os grupos se formem da melhor maneira. Nós podemos mediar, sem nos incluirmos demais. Mais como auxiliares disponíveis, menos como vigias intrometidos.

Necessidade 2: Serviço

Um grupo saudável tem uma função: dar suporte ao desenvolvimento social do adolescente. Os membros podem organizar eventos na escola, ler para crianças mais novas, limpar a praça do bairro, criar uma horta comunitária, preparar lanches saudáveis para vender na academia, administrar os festejos do grupo de escoteiros, e tantas outras coisas.

O grupo não pode ter um fim em si mesmo. Não deve servir só para conversar sobre amores e ir ao cinema no final de semana. Um bom grupo ajuda o adolescente a entrar na sociedade. Ele encontra ali a chance de treinar para viver, experimentando funções pré-profissionais junto de seus colegas. A necessidade de servir é também a necessidade de encontrar sentido para as ações. Servir é ser útil, e ser útil é ser importante.

Necessidade 3: Independência Financeira

O serviço por si só desempenha uma função importante na vida, mas para se sentir valorizado, o adolescente precisa conquistar a base da independência social: dispor do próprio dinheiro. Pagar algo sozinho é prazeroso, pedir dinheiro é cada vez mais humilhante conforme se cresce.

O adolescente é maior que a criança. Deseja maior confiança, e tomar mais decisões. Por isso, deve exercer algum tipo de atividade que com uma pequena remuneração. A função dessa disso é pedagógica. O objetivo é poder entrar no mundo das transações adultas. O adolescente que dispõe de fundos obtidos com seus esforços tem a satisfação de trabalhar, comprar e servir-se do mundo conforme seus meios permitem, como um adulto.

A segurança do adolescente não impede a independência financeira. Pelo grupo, pelo serviço e pela remuneração, o adolescente desenvolve também a capacidade de fazer escolhas mais sábias e seguras para si mesmo. O diálogo com os adultos deve ser permanente.

Resultado: Valorização da Personalidade

O adolescente que pertence a um grupo sem “se encaixar”, que serve a comunidade e vê sentido em suas ações, e tem um início de independência financeira, percebe-se em uma nova fase da vida. Mais nobre, mais forte, mais cheia de valor. Sua personalidade cresce em importância e dignidade.

Nós percebemos isso pela tranquilidade, disposição, e alegria serena que acompanham as ações dos jovens. Isso não quer dizer que a adolescência seja um mar de rosas. Ainda é de uma fase de profundas transformações e negociações constantes. Mas um adolescente que percebeu o valor, o potencial e a força de sua própria personalidade já não se sente frágil e humilhado, é muito mais feliz e sereno, porque sabe de quanto é capaz.

Em Montessori, queremos que os adolescentes possam se construir com saúde e força, com coragem para serem quem são e para transformar o mundo à sua volta. Se dermos as condições e adotarmos os comportamentos certos, é isso que veremos surgir em todos os jovens.

Como é sua vida com adolescentes? Qual o papel que o grupo, o serviço e a independência financeira têm no bem-estar dos seus filhos e alunos? Conte-me nos comentários!


Entenda as crianças e adolescentes de sua vida

Curso Montessori


[1] Para a adolescência, é importante dizer que aquilo que sabemos deriva tanto de trabalhos de Montessori quanto de seus colaboradores. Para o que este texto traz, são especialmente importantes David Kahn e Marta Donahoe.

 

Adolescência , , ,

Escrito por Gabriel Salomão

Eu sou Gabriel Salomão, pesquisador e autor do Lar Montessori. Eu ajudo famílias e professores a incorporarem o método Montessori em sua vida e seu trabalho. Fui aluno de uma escola montessoriana por doze anos, e trabalhei em algumas escolas montessorianas depois, como professor e consultor. Vivo Montessori todos os dias, como pai, professor, consultor, ou pesquisador. Em 2019 terminei meu Doutorado sobre Montessori na Mídia, pela Universidade de São Paulo. Veja mais sobre meu trabalho aqui.

1 comentário

Deixe uma resposta