Crianças no Chão – ajude seu filho a crescer!

O tempo todo vejo crianças que poderiam ser mais felizes e não são. Crianças que poderiam se desenvolver melhor e não se desenvolvem. Eu vejo o que a vida delas poderia ser, e não é. E muitas vezes seria fácil mudar para melhor. Muitas vezes a barreira não é financeira nem cultural. As vidas dessas crianças poderiam se transformar rapidamente, se elas passassem mais tempo no chão.

Maria Montessori defendeu a vida toda que o movimento é a expressão da inteligência, e é também o meio para o desenvolvimento completo da criança. O que acontece, então, em um mundo no qual as crianças se movimentam cada vez menos? Do berço para o bebê-conforto, para o sling, para a cadeirinha, para o bebê-conforto. E nisso tudo um celular, uma televisão, um tablet, ou, para os que não se dão com a tecnologia, muitos móbiles. Diga-me quanto se movimenta uma criança, e eu lhe direi quanto sua mente absorve do mundo.

Dizem que crianças são esponjas. Nós já dissemos aqui antes que são esponjas no sentido em que absorvem do mundo tudo o que ele oferece. Mas as crianças, naturalmente, não ficam lá, paradas, esperando pelas ofertas do mundo (a não ser bem no comecinho da vida). Elas vão atrás do mundo, agarram a realidade, exploram, manipulam, interagem com o ambiente e a vida. Crianças presas em panos, almofadas e caixas de todo tipo são reféns do mundo, não exploradoras.

Há um lugar para o sling, como há um lugar para a cadeirinha, é claro. Quando o bebê ainda não anda, e nós precisamos nos locomover em espaços públicos, o sling é a melhor opção. Montessori sugeriu o sling há mais de sessenta anos, em sua maior obra, o livro Mente Absorvente. A cadeirinha é imprescindível em qualquer automóvel onde haja uma criança (ainda que crianças tenham um horror compreensível a ficarem presas nela). Mas fora de situações de locomoção, não existe um motivo verdadeiro para uma criança não estar no chão.

O ambiente em que a criança ficará no chão não precisa ser meticulosamente preparado. É claro que deve ser seguro, e nós evitaremos deixar uma caixa de sabão em pó aberta e ao alcance de nossos bebês. Mas eles podem estar no chão enquanto colocamos as roupas de molho, talvez deitados ou debruçados sobre uma colcha, talvez mexendo na mesma pilha de roupas que nós mexemos.

Nos ambientes onde a criança passará mais tempo, talvez a sala, talvez o quarto, podemos preparar áreas específicas para o movimento, que incluam espelhos, pêndulos, bolas, encaixes, barras, chocalhos, móbiles interativos. Esses ambientes, se bem preparados, oferecem pontos de interesse que podem absorver a criança por minutos, e até horas. Lá, elas descobrirão que são fortes e podem ficar de bruços, e depois engatinhar, descobrirão que podem sentar sem o suporte de uma cadeirinha, e que fazendo muita força podem ficar em pé, agarrando-se em algum suporte.

A maior descoberta que a criança fará, se tiver liberdade para se movimentar, é a de sua potência. Ela descobre que pode descobrir e que, com esforço, pode se desenvolver infinitamente, pode alcançar qualquer coisa.

Eu converso com muitas famílias e visito muitas escolas. Isso me dá a chance de ouvir falar e assistir o desenvolvimento de muitas crianças. São inúmeras as que não sentam em uma idade em que já se esperaria que ficassem em pé, que não engatinham quando já poderiam andar, e cujas mãos não sabem segurar qualquer coisa, porque nunca tiveram a chance de o fazer. E não há nenhum problema em uma criança ter seu próprio ritmo, mas esse ritmo não pode ser modificado porque a criança passa mais da metade de seu dia no bebê-conforto.

O método Montessori foi definido por sua criadora como uma “ajuda à vida, uma educação desde o nascimento”. Isso não quer dizer que nós vamos educar as crianças desde que nascem, mas quer dizer que desde o nascimento, devemos seguir a natureza da criança, e dar todas as oportunidades para que essa natureza se manifeste em todo o seu potencial, sem ser detida e impedida por obstáculos artificiais, culturais, em geral para a comodidade do adulto.

Se nossas crianças tiverem liberdade de movimento, eu e você veremos, todos os dias, crianças que poderiam ser felizes, e são. Que poderiam ser livres, e são. Que poderiam se desenvolver de acordo com sua própria natureza, e fazem isso, todos os dias, com alegria. Vamos colocar nossas crianças no chão, e deixar a vida fazer seu trabalho.


Veja mais sobre o desenvolvimento da criança em Montessori:

Curso Montessori


imagem de divulgação: https://www.tesco-baby.com/baby/development-baby/all-about-crawling/

Escrito por gabrielmsalomao

"A preparação que nosso método exige do professor é o auto-exame, a renúncia à tirania. Deve expelir do coração a ira e o orgulho, deve saber humilhar-se e revestir-se de caridade. Estas são as disposições que seu espírito deve adquirir, a base da balança, o indispensável ponto de apoio para seu equilíbrio. Nisso consiste a preparação interior, o ponto de partida e a meta." Maria Montessori, em A Criança

um comentário

Deixe uma resposta