Cinco Atitudes de Professores Montessorianos que Podemos Adotar em Casa

O professor montessoriano passa por uma formação profissional extensa e exigente, e desenvolve atitudes muito diferentes das comuns com as crianças. Ele aprende a falar da forma apropriada, a respeitar esforços das crianças, a não interromper, a mediar conflitos e prevenir que eles aconteçam… é uma transformação na forma de ver o ser humano. Claro, algumas dessas atitudes só são necessárias na escola, onde há muitas crianças o tempo todo. Mas algumas das mais importantes atitudes do professor montessoriano são, na essência, simples, e podem ser usadas em casa com sucesso, para a nossa felicidade e a da criança.

Neste texto, vamos ver cinco atitudes importantes do professor montessoriano e como trazer cada uma delas para casa, para o benefício de nossos filhos.

1. Não interromper a criança. Confiar nela.

Todos os adultos interrompem as crianças mais do que deveriam. Mas os professores montessorianos fazem isso muito menos. Montessori sugeria nunca interromper uma criança em alguma coisa que ela acredita que é capaz de fazer sozinha. Mesmo quando nós não acreditamos, precisamos confiar na criança. Se ela acredita, confiamos na criança. E muitas vezes nos surpreendemos. Em outras, precisaremos mesmo ajudar, e aí damos o mínimo de ajuda necessário para que a criança retome a crença em si e continue por si só a partir de então.

2. Falar baixo, devagar e olhar nos olhos.

É o oposto do que geralmente se faz com as crianças, não é? Nós falamos rápido, em pé, e repetimos rápido e várias vezes até a criança conseguir processar esse monte de ordens repetidas e obedecer, humilhada. Professores montessorianos resistem ao impulso de acreditar que “porque eu sou adulto, a criança deve obedecer”, e se esforçam para conquistar a admiração e a vontade de ouvir da criança, com uma abordagem gentil, agradável e sedutora. Mesmo quando precisam colocar limites, fazem isso falando devagar, baixo, e olhando nos olhos das crianças. Isso, felizmente, faz com que as crianças compreendam muito melhor o que dizemos a elas.

3. Mostrar de novo, e de novo, e de novo…

Montessori dizia que tínhamos de ser incansáveis na apresentação daquilo que a criança não absorveu ainda. Incansáveis. Isso quer dizer mostrar de novo, e de novo. Muitas vezes, porque convidamos nossos filhos para cozinhar por cinco vezes, no ano passado, e ele não aceitou, julgamos pelo resto dos dias que ele “não gosta de cozinhar”. Não é verdade. Pode ser que ele não estivesse com vontade em nenhuma das cinco vezes. Pode ser que o prato não o agradasse. Pode ser que ele tivesse outra ocupação em mente. Convidamos de novo, e de novo, e de novo. Até que a criança tenha a chance de ter a experiência, vivenciar, e aprofundar-se ou não nela.

4. Observar, organizar e agir.

Professores montessorianos começam o dia com um plano que indica coisas que podem fazer com várias das crianças de sua sala. Esse plano pode ser esquecido ou abandonado a qualquer momento. O que comanda os dias não é o planejamento, mas o comportamento das crianças reais (não as da tabela, não as do Pinterest). Nós, em casa, podemos observar também. Talvez não com o mesmo nível de detalhes, mas podemos olhar nossos filhos e tentar descobrir do que eles precisam, mais do que o que eles merecem, ou o que nós queremos que eles recebam. Encontrar do que é que precisam, o que mostram precisar por meio de seus comportamentos, é a chave para uma convivência que seja pacífica e produtiva.

5. Corrigir o ambiente, não a criança.

Entre professores montessorianos, fala-se muito do ambiente. Uns pedem para ver fotos do ambiente do outro, e têm ideias incríveis por detalhes mínimos que viram em outros espaços. Isso acontece porque esses professores sabem que o segredo de quase todo o bem estar de uma sala está no ambiente preparado. Os professores não tentam mudar os comportamentos das crianças, eles mudam o ambiente e o seu próprio comportamento para satisfazer as necessidades das crianças, e o comportamento muda como consequência do resto, e não por “força de vontade” ou “disciplina”. As nossas casas não são salas montessorianas, mas é realmente possível alterar nossos ambientes para ajudar nossas crianças a viverem melhor. Se fizermos isso, teremos muito menos ocasião para querer as corrigir, inclusive.

Os professores montessorianos são profissionais da infância, mas muito daquilo que fazem é resultado de “muita observação, e muito bom senso”, como dizia Montessori, e isso todos nós podemos ter. Experimente essas atitudes, com confiança e curiosidade. Volte para dividir a alegria de uma convivência mais tranquila e as revelações do comportamento natural de seus filhos quando deixados em liberdade em um ambiente realmente preparado para eles. Espero você!


Transforme-se em um adulto montessoriano:

Curso Montessori

Escrito por gabrielmsalomao

"A preparação que nosso método exige do professor é o auto-exame, a renúncia à tirania. Deve expelir do coração a ira e o orgulho, deve saber humilhar-se e revestir-se de caridade. Estas são as disposições que seu espírito deve adquirir, a base da balança, o indispensável ponto de apoio para seu equilíbrio. Nisso consiste a preparação interior, o ponto de partida e a meta." Maria Montessori, em A Criança

Deixe uma resposta