A Criança Aprende com o Corpo Inteiro

Nós temos cérebros por um motivo só, diz o neurocientista Daniel Wolpert, para produzir movimentos complexos e adaptáveis.

Entender os movimentos é um jeito de entender o cérebro. Maria Montessori, que foi uma das maiores cientistas dedicadas à infância e ao desenvolvimento que o mundo já viu, fez uma descoberta revolucionária: diferente do que pensamos, o movimento não serve só para executar aquilo que a criança deseja, mas para formar a identidade, a personalidade e a vontade da criança.

Fica claro quando olhamos para um bebê: enquanto seu universo de experiências se resume ao travesseiro, a pele da mãe e a voz dos pais, ele só deseja essas três coisas. Conforme seu corpo entra em contato com o mundo é que ele passa a entender que existe um mundo além dele. A criança não entende primeiro, e se movimenta depois. Ela se movimenta primeiro, e entende depois.

Veja este clipe de uma menina com uma bolinha:

Cedido gentilmente por Quando Viramos Pais

Você percebe quanto ela repete? Como insiste e se interessa? Isso é o cérebro dela, funcionando pelas mãos. As mãos, segundo Montessori, são os instrumentos da inteligência humana. A garotinha não sabia como a caixa funcionava e para que servia, até começar a se movimentar, é claro. Mas conforme se movimentou, aprendeu tudo.

É claro que seria errado dizer que o cérebro da pequena menina está só em sua cabeça, e que o corpo age de forma independente. Também seria errado dizer que ela aprende com o cérebro e executa com o corpo. O cérebro de uma criança está em todo o seu corpo, e ela aprende e executa com corpo e cérebro funcionando juntos.

Mas precisamos dar um passo além aqui: as crianças não aprendem só o que está fora delas se movimentando. Elas se constroem por dentro por meio do movimento também.

Quando uma criança se movimenta, tem a chance de interagir com o mundo e, pela interação, absorver mais. A criança, então, usa as impressões que absorveu do mundo para construir a si mesma. Pense em um garoto na praia.

Enquanto não chegou à praia, ele pode ter, no máximo, uma ideia vaga do que a praia é. Mas quando chega, corre na areia, sente a dificuldade que a areia coloca para seus passos, mergulha na água, sente uma onda bater no corpo, e é jogado de volta na areia um pouco tonto… Agora ele sabe o que é a praia. Mas além disso, ele sabe muito mais sobre si mesmo.

Agora, o menino entendeu sua força, seu equilíbrio, sua vontade, sua capacidade de esforço, resiliência e sobrevivência.

O mesmo aconteceu com a garota do vídeo: ela entendeu como funciona a caixa, mas também entendeu como funciona sua mão, sua concentração, sua superação. O cérebro do menino na praia e o da menina com a bolinha fizeram essas descobertas porque se movimentaram, e é sempre assim, em uma criança que se movimenta, com um cérebro que ocupa um corpo inteiro.


A criança tem segredos maravilhosos, e Maria Montessori descobriu muitos desses segredos. O Lar Montessori organizou algumas das descobertas em um curso para ajudar você a transformar o que deseja na relação com seus filhos. Veja o que alguns alunos já disseram:

No segundo vídeo já enxerguei tanta coisa sobre minha filha que não conseguia entender! Incrível!!!

Tatiane A. de Carvalho, mãe

Curso maravilhoso. Gabriel consegue em pouco tempo contemplar muitos assuntos, trazer referências às obras e ainda tocar e emocionar a quem está assistindo. Parabéns!

Inara Felix, mãe e professora

As principais referências deste texto são (1) o capítulo 15 do livro Segredo da Infância, de Maria Montessori, O Movimento. (2) O livro Mente Absorvente, de Maria Montessori, e (3) a palestra de Daniel Wolpert no TED, The Reason for Brains.

Escrito por gabrielmsalomao

"A preparação que nosso método exige do professor é o auto-exame, a renúncia à tirania. Deve expelir do coração a ira e o orgulho, deve saber humilhar-se e revestir-se de caridade. Estas são as disposições que seu espírito deve adquirir, a base da balança, o indispensável ponto de apoio para seu equilíbrio. Nisso consiste a preparação interior, o ponto de partida e a meta." Maria Montessori, em A Criança

Deixe uma resposta