Assinatura RSS

Arquivo da categoria: Primeiras Leituras

O que é o método Montessori, as vantagens do método Montessori, como aplicar o método Montessori e quem foi Maria Montessori. Comece a estudar Montessori por aqui.

O Tempo que Temos Juntos

Todos concordamos: Seria incrível ter todo o tempo do mundo para usar com nossas crianças. É importante para elas que os momentos em família sejam muitos e muito bons. Dizer que só o que importa é a qualidade do tempo que se passa junto, e não a quantidade de tempo que se passa junto não é dizer a verdade. A quantidade de tempo importa também, e se o tempo for longo e de qualidade, muito melhor. É bom que haja famílias que optem – ou possam optar – por estabelecer rotinas mais flexíveis para os adultos, de forma a estar mais presentes nas vidas das crianças. É bom quando os pais podem se revezar e cuidar de seus filhos da forma como acreditam, sem depender de escolas em que não confiam e pessoas que não conhecem.

Essa, no entanto, não é a vida da maior parte de nós. Para quase todos nós, não é todo o tempo do mundo aquele que podemos dedicar a nossas crianças, mas só uma parte dele. Só uma pequena parte, às vezes. Famílias que trabalham de manhã à noite, famílias que trabalham em cidades diferentes daquela em que vivem, famílias que fazem plantões, ou que têm por obrigação estarem disponíveis para seus empregadores mais do que podem estar disponíveis para seus filhos. Não faço eco ao discurso de quem diz que “se gosta tanto de trabalhar, não devia ser mãe/pai”. Para muita gente, o trabalho é um pilar de sanidade, e muitas famílias vivem melhor (todo mundo, incluindo as crianças) quando os pais trabalham do que quando um deles deixa de trabalhar e leva a frustração da falta do exercício profissional para casa… Não é incomum que essa seja uma das principais causas da hiperestimulação de crianças.

A ideia desse texto é trazer algumas dicas. Dicas de como melhorar o tempo que passamos com nossas crianças, seja ele quanto for.

1. Fale baixo. Escute. Preste atenção. – É comum que estejamos tão ansiosos para passar algum tempo com as crianças que esqueçamos de ser tranquilos. Nós temos planos para diversão. Vivemos numa sociedade que gira no eixo de “work hard, party harder” (trabalhe muito, divirta-se mais ainda). Queremos brincar, falar alto, dar risada e fazer cócegas. Buscamos a euforia. Mas nossas crianças precisam de equilíbrio. A família muitas vezes é quem melhor entende as primeiras palavras e a fala inicial de uma criança. É muito importante deixá-la falar. Se queremos ter diálogo em nossos lares, esse diálogo precisa começar muito cedo, com respeito, com atenção e cuidado. Às vezes as crianças não querem brincar do que nós queremos brincar. Às vezes elas não querem brincar em absoluto. Só ficar em paz, agasalhadas por você, ou te mostrar alguma coisa interessante que fizeram ao longo do dia.

2. Valorize o silêncio e a observação – Aproveite esse momento de paz, de encontro, de conexão entre você e seu filho, para descobrir de que ele precisa, o que ele conquistou, o que tem despertado seu interesse recentemente, como ele tem se comportado, o que o frustra e o que o alegra. Olhe para ele, com silêncio e admiração, e busque compreendê-lo em suas ações, em suas emoções, em seus atos e no desenvolvimento de sua inteligência. Por outro lado, valorize também o silêncio e a observação que partem de sua criança. Se, na rua, ele para e abaixa para ver qualquer coisa, abaixe-se, olhe com ele. Esteja lá, mas sem interferir, sem dizer nada. Permita que essa outra conexão preciosa – entre a criança e a realidade – se estabeleça e aprofunde suas fortes raízes.

3. Brinquem com o corpo e a voz – Uma boa parte de seu tempo precisou ser entregue ao dinheiro. Inevitavelmente, você já entregou horas a corporações e marcas – no trabalho, na comida comprada, no carro dirigido, no celular. Não entregue esses poucos momentos que você tem com sua criança para mais corporações e mais marcas. Evite a televisão com desenhos fabricados por empresas imensas e de interesses escusos. Evite os tablets com propagandas constantes e perniciosas. Evite os computadores com jogos construídos para alimentar o modo de ser de uma sociedade de consumo. Brinque com aquilo que a natureza deu: o corpo e a voz. Se quiser – se vocês dois quiserem – use brinquedos. Mas use brinquedos que não brinquem sozinhos. Brinquedos que dependam de vocês para funcionar, para acontecer. Brinquedos que sem vocês sejam pedaços de qualquer coisa. Brinquedos nos quais você, e principalmente seu filho, soprem alma e vida.

4. Em casa, a casa basta – Brinquedos muito sofisticados não são uma necessidade da criança. Eles são uma necessidade dos adultos e uma necessidade das empresas. Coordenação motora, equilíbrio, desenvolvimento da fala e do raciocínio lógico… Tudo isso se desenvolve muito bem na vida, sem que sejam necessários brinquedos, softwares e vídeos especializados. O material montessoriano, inclusive, funciona muito bem na escola, onde ele é compreendido em sua inteireza, usado de maneira correta e reaproveitado, auxiliando no desenvolvimento da individualidade e na construção da vida comunitária. Em casa, ele é inútil e, a depender do comportamento do adulto, pode ajudar em formas de opressão variadas – se, por exemplo, forçamos a criança a usar as letras de lixa porque sinceramente acreditamos que será bom para ela. Em casa, use a casa. Limpe, lustre, lave, corte, cozinhe, pendure, enxugue, arrume, separe, organize. Na minha opinião, especialmente cozinhe. Cozinhar com crianças é uma grande diversão, ajuda na alimentação de todo mundo e garante que o tempo da criança será usado de forma maravilhosamente produtiva para sua personalidade: há um trabalho intenso com os sentidos e com a coordenação motora, há a sensação da independência que se desenvolve, há o prazer puro de desfrutar de um bom sabor e a sensação de conquista por comer aquilo que se fez, para dizer o mínimo.

5. Permita a independência – Quando ficamos fora de casa por períodos longos, muitas vezes nos sentimos indevidamente culpados. A sensação de culpa nunca tem boas consequências. Uma das consequências negativas é que, voltando para casa, desejamos proteger nossas crianças de tudo, inclusive de qualquer esforço. E, fazendo isso, protegemos nossas crianças da possibilidade de um desenvolvimento saudável. Permita que sua criança seja independente. Permita que ela se esforce e falhe, permita que ela faça coisas sozinha mesmo nesse curto período que vocês têm juntos. Seu filho valorizará a possibilidade de ser independente na sua presença. A chance de conquistar a vida ao seu lado. Você vai perceber pelo olhar de sua criança quanto acertou em sua escolha.

Não há muito mais o que dizer. Seu coração, seu amor e o conhecimento que você tem de seu filho vão nortear suas ações melhor do que uma imensa lista de atividades sugeridas. Num próximo texto, pretendo abordar formas de melhorar o tempo da criança enquanto ela está longe de nós, na escola ou em casa.

O que faz uma “Família Montessoriana”?

No título deste texto, usei aspas em família Montessoriana, e ao longo do texto usarei itálico. Farei isso para repetidamente deixar claro: famílias montessorianas não existem. Assim como não existe método Montessori e não existem princípios montessorianos. A lembrança importa. Chamamos de método Montessori um determinado conjunto de princípios filosóficos, psicológicos e pedagógicos, que tiveram seu início ao longo da primeira metade do século XX por ação direta de Maria Montessori. Ela mesma, porém, não tomou para si o método que desenvolveu e nem o batizou com seu nome. Até o fim de sua vida, quando se referia ao método pelo seu nome, dizia algo como “aquilo que chamam de método Montessori”. O nome preferido por Montessori para a ciência da infância à qual deu o passo inicial foi Pedagogia Científica. A lembrança do nome original e da forma de pensar de Maria Montessori evita que nos confundamos e nos digamos montessorianos quando, de fato, admiramos Montessori e sua criação, mas não levamos à prática os postulados científicos que propôs.

A ideia deste texto é ajudar famílias que descobriram Montessori há pouco tempo em seus passos inciais, e dar suporte às famílias que já buscam utilizar Montessori em casa tanto quanto possível. Além disso, esse texto tem a estrutura de uma lista, então você pode ler aos poucos.

 

1. Famílias Montessorianas preparam o ambiente das crianças

Um dos pilares da pedagogia desenvolvida por Maria Montessori é a preparação do ambiente da criança. Preparar um ambiente significa olhar para ele do ponto de vista dos pequenos e realizar as modificações necessárias para que as crianças possam ter liberdadeindependência. Com base nessa ideia, utilizamos uma cama que fica muito próxima do chão, para que a criança não precise escalar a cama na hora de dormir. A partir disso, também, instalamos uma barra no quarto das crianças que estão aprendendo a andar, para que elas possam se tornar independentes de nós nessa ajuda e possam se exercitar sempre que quiserem com segurança. Colocamos um espelho, para que a criança se conheça.

Em outros cômodos também tornamos a vida da criança mais próxima de uma vida total e feliz: comida, água e bebidas apropriadas podem ficar ao seu alcance em pequenas quantidades, o banheiro pode ter um banquinho e um penico, para que a criança alcance a pia e possa utilizar o banheiro sem precisar do equilíbrio do encaixe no vaso sanitário e com o mesmo conforto que um adulto tem quando se senta para suas necessidades. A sala pode ter um cantinho da criança e, pensando no exercício de sua liberdade e de sua independência, precisa permitir o movimento. Por isso, é importante ensinar a criança a segurar da forma certa tudo o que quebra ou, enquanto ela é nova demais, modificar a localização de alguns pertences, para que corramos todos menos riscos. A ideia não é restringir a vida do adulto, como muito se coloca. Mas possibilitar a vida da criança, como faríamos, talvez, com um adulto que não enxergasse ou não pudesse caminhar. A criança é um habitante da casa, e deve ser respeitada.

Quando defendemos a preparação do ambiente da criança, não falamos de adaptação. Permita que repitamos: não falamos de adaptação. O ambiente da criança conforme a orientação de Montessori é o mais próximo possível do ambiente natural. Ambientes naturais são, por natureza, essencialmente baixinhos. Há água disponível na altura do chão, arbustos com frutas, raízes comestíveis, abrigo, tudo. Há toda uma vida que não chega à cintura de um adulto. Então, quando preparamos o ambiente para a criança, nós não adaptamos. Nós preparamos ou, no máximo, retornamos a aquilo que é natural para o desenvolvimento da criança pequena, e com o que convivemos por quase dez mil anos de civilização, sem contar os milhões de anos de evolução.

 

2. Famílias Montessorianas escutam, vêem e observam as crianças

Todos nós escutamos, vemos e observamos crianças, pode-se argumentar. E então, podemos pensar na frase de Saramago: Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara. A ideia de escutar, ver e observar a criança não é a de conviver com ela, com o celular, com a refeição em preparo, com as tabelas numéricas e com as obrigações diversas ao mesmo tempo. A ideia é, pelo menos durante alguns momentos (quem sabe, de forma otimista, períodos) do dia realmente viver junto, escutar com atenção, ver com amor, observar com cuidado.

Para termos clara ideia de quanto devemos escutar, ver e observar nossas crianças, podemos pensar em quanto escutamos, vemos e observamos aqueles a quem escolhemos amar, no início do relacionamento. Uma infinidade de conflitos pode ser prevenida simplesmente por ouvirmos nossos pequenos e tentarmos compreender o que os está chateando. Às vezes, são mesmo coisas que não podemos remediar. Mas às vezes podemos e, nesses casos, vale a pena tentar – e só podemos tentar, se pudermos ouvir. Precisamos fazer isso entre adultos também, na verdade.

Precisamos ver nossas crianças. Prestar atenção nelas. Precisamos ver como estão seus olhos, por exemplo. Precisamos checar se brilham. Os olhos das crianças devem brilhar. De interesse, de alegria, de curiosidade, de criatividade, de suspense, de atenção, de concentração, de esforço, de contentamento, de tranquilidade, de afeto, de segurança, de amor. Os olhos deles têm motivo para brilhar o tempo todo. Se não estiverem bem brilhantes (e como professor e palestrante, convivendo com muitas crianças de cada vez, eu infelizmente posso dizer com certeza que não são todas as crianças que têm olhos brilhantes), se não brilharem por tudo o que há na vida, então há algo muito errado. Pode ser a televisão, que apaga a luz dos olhos na medida em que emite luz da tela. Pode ser a falta de independência, que pedra por pedra des-edifica o interesse da criança pelo mundo. Pode ser o autoritarismo, que deixa tão pouco espaço para ação que não vale mais a pena achar graça na vida. Pode ser a escola, que age de forma a violentar a natureza da criança, e a violência apaga mesmo o brilho dos olhos. Precisamos fazer de tudo para manter o brilho nos olhos de nossos filhos e alunos. E precisamos fazer de tudo para reavivá-los, se começam a esmorecer.

Sobretudo, precisamos observar as crianças pequenas. Precisamos ver o que querem fazer agora. Precisamos observar que tipo de independência estão tentando adquirir e tentar entender como podemos ajudar indiretamente – sem substituir a criança em seus esforços. Precisamos registrar nossas observações de algum jeito, para que possamos compreender nossas crianças melhor, e ajudá-las com mais certeza, e mais cuidado. Observar, e registrar observações, é uma forma de garantir que estamos dando atenção às nossas crianças – o perigo de nos tornarmos famílias burocratas é tão pouco presente que não vale tratar dele. O registro da observação precisa vir sempre depois da necessidade de atenção e amor, é claro. Mas é bom que exista.

 

3. Famílias Montessorianas amam, conhecem e exploram o universo com as crianças

Montessori disse que não era suficiente amar a criança. “Antes, é necessário amar e conhecer o universo”. Se desejamos que nossas crianças possam satisfazer o interesse que têm naturalmente pelo mundo, se esperamos que sua curiosidade seja a maior motivação para seu aprendizado, e se queremos que no presente e no futuro elas possam cumprir de forma exemplar seu papel no mundo, precisamos ter verdadeira paixão por esse mundo. Fascínio mesmo. E enxergar nele belezas quase indescritíveis.

É preciso, por exemplo, olhar para uma árvore e enxergá-la com uma incrível elo em uma sequência infindável de vida que faz o universo – pelo menos o Planeta Terra – funcionar em equilíbrio. É preciso ver na lagarta que caminha pela casca um ser vivo cumprindo sua tarefa cósmica e próximo a se tornar uma borboleta, que irá polinizar flores e permitir que a Natureza se mantenha, assim. É preciso ver beleza onde há vida, e onde não há. Perceber a imensidão da Terra sob nossos pés e a da atmosfera acima de nossas cabeças. É preciso reconhecer essa beleza que deixou há muito de ser óbvia, desde que nos desligamos da natureza e dos rituais que a celebravam. O caminho de retorno a esse encanto, hoje, para a maior parte de nós, acontece por meio da ciência.

O mundo humano, também, cheio de encantos, é tema de maior interesse para as crianças mais velhas. De seis ou sete anos em diante. As culturas, os costumes, as línguas, as formas de viver, as festas, as religiões, as diferentes versões da(s) História(s) e as várias formas de retrato do humano, nas artes plásticas, na poesia, na música – e também na agricultura, no comércio, na construção de cidades. Assim como os limites da compreensão e da exploração humana, à Lua, ao Everest, ao fundo do mar, às selvas mais escondidas. Da mesma forma que os testes máximos do humano, contra a fome, a sede, a luta pela sobrevivência e todo tipo de máximo e mínimo atingido pelo humano, tudo interessa, tudo deve nos interessar. De tudo o que lermos, assistirmos, escutarmos podemos tirar pedacinhos de conhecimento que formarão verdadeiros universos em nossas conversas com nossas crianças, e nos permitirão ajudar os pequenos a desbravar a humanidade e o planeta que habita.

 

4. Famílias Montessorianas compreendem as necessidades do desenvolvimento

Não acima de tudo, mas sem dúvidas em posição de grande importância, se encontra o conhecer o desenvolvimento. Não é necessário ser um especialista em cada osso, órgão, nervo e estágio psicológico das crianças. Mas é necessário conhecer um pouco do desenvolvimento motor, especialmente até os três anos, e encontrar uma linha com a qual você concorde, e que faça algum sentido cientificamente, no caso de Montessori, para explicar o desenvolvimento mental das crianças.

No caso de Montessori, o livro Mente Absorvente e o livro A Criança são os dois melhores locais para se encontrar esse tipo de informação. O primeiro explica o desenvolvimento das capacidades mentais da criança e os motivos psicológicos pelos quais nós podemos e devemos deixar a criança em liberdade, além de explicar o desenvolvimento da fala e o das mãos. Já o segundo traz importantes observações sobre a saúde mental da criança pequena e o que chamamos de períodos sensíveis – intervalos ao longo do desenvolvimento durante os quais a criança está mais apta a determinados aprendizados ou à aquisição de determinadas habilidades.

Para isso é mesmo necessário estudar um pouco. Mas em pouco tempo você aprende o básico necessário para compreender melhor sua criança. Compreendendo-a, você será capaz de proporcionar a ela liberdade, experiências e objetos muito mais adequados ao estágio de desenvolvimento em que se encontra, e esse tripé tornará a vida de vocês muito mais tranquila e muito mais feliz.

 

5. Famílias Montessorianas vivem uma revolução

Esse tópico foi, na verdade, o que me motivou a escrever o texto inteiro. Utilizar os princípios descobertos por Montessori para auxiliar a vida da criança não é comum. Não é o que se faz em larga escala hoje. Não é o que se espera que seja feito. Não é o que as prateleiras de livrarias sobre vida em família sugerem que se faça, e não é o que os programas de televisão sobre disciplina infantil pregam. Viver de acordo com as necessidades da criança, permitindo sua liberdade e favorecendo sua independência é um imenso serviço de compaixão, intenso e profundo, que modifica a forma como enxergamos a vida e como a vivemos.

Montessori disse, em Mente Absorvente, que o que nos trazia era uma revolução pacífica, que não deixaria intocado nada do que existe no mundo, e que se levada até o final, seria a última de todas as revoluções. As famílias que hoje carregam Montessori para suas crianças, e as escolas que compreendem essas famílias, compreendem essas crianças, e levam Montessori verdadeiramente à sua prática também, são a linha de frente da revolução mais fundamental da humanidade. Aquela que terminará com o problema social mais universal que temos: a opressão da infância.

Se você pesquisou, leu, compreendeu e começa a aplicar Montessori agora, seja bem vindo. Se você já o faz há algum tempo, vamos juntos. Nossa revolução é universal, e ao mesmo tempo é muito, muito pequena. É uma revolução de detalhes: uma jarra que caiba nas mãos de nossas crianças, uma cama alguns centímetros mais baixa e um sabonete que seja pequeno o suficiente para não escorregar das mãos de nossos filhos e alunos. Nossa revolução é bem pequena. Mas tem a força do sorriso de seu filho. E o brilho de seus olhos. Nessa revolução, conte com amigos, colegas, pessoas que possam apoiar você em sua caminhada, e possam ajudar você sempre que necessário. Você não deve e não precisa ser sozinho na aplicação de Montessori para ajudar a vida de sua criança. Nós todos queremos um mundo de paz. Nós todos queremos ajudar a vida.

 

É Pra Ser Simples

Publicado em

A máxima elegância de qualquer sistema é seu máximo de simplicidade. Não fosse assim, seria impossível a nós o avanço da civilização. Vivêssemos nós num mundo cujo progresso dependesse de um aumento gradativo de complexidade, em algum momento, haveria um nó, e nós não conseguiríamos mais caminhar. A bem da verdade, é isso o que acontece nas grandes cidades, especialmente no que diz respeito à mobilidade urbana – um grau cada vez maior de complexidade impede que se saia de casa ou se volte para casa a qualquer horário. Mas é o oposto do que acontece com a tecnologia: aparelhos cada vez mais simples permitem que muita gente transforme a própria vida (a gente sabe que você não vai entender errado e vai continuar evitando a exposição de sua criança a telas eletrônicas de todo tipo).

Se é assim com coisas exteriores a nós, como o transporte urbano e os notebooks e celulares, que dizer então do que nos é interior? Sistemas diversos de cunho filosófico e religioso partem de uma estrutura extremamente simples, e as mais diferentes linhas de autoconhecimento vão pelo mesmo caminho. Não é coincidência que Montessori tenha chegado em um sistema de pensamento e ação de princípios gerais simplíssimos, possíveis de ser compreendidos por qualquer um.

Não é possível que nosso trabalho precise ser compreender Montessori. Isso é simples. Nosso trabalho precisa ser internalizar algumas ideias que contrariam fundamentalmente a forma de pensar moderna, esta sim, cada vez mais complexa. É notável, entretanto, quanto se conseguiu complicar Montessori desde sua morte. Ela insistiu inúmeras vezes na simplicidade científica de seu trabalho. Não na facilidade dele, mas na simplicidade dele. Um de nossos trabalhos, no Lar Montessori, é permitir que você compreenda Montessori, então, aqui vai uma explicação sintética do que Montessori compreendia como ambiente preparado. O texto foi inspirado no subcapítulo “Qualidades Fundamentais Comuns a Tudo no Ambiente que Circunda a Criança”, do livro A Descoberta da Criança, ainda sem publicação em português. Montessori falava da escola, a gente vai levar isso para casa.

 

Qualidade 1) O Controle do Erro

Tudo quanto possível no ambiente da criança deve permitir que ela perceba seus erros e imperfeições, especialmente de movimento, e melhore a partir da própria percepção, mais do que a partir da correção do adulto. Quando precisamos corrigir o tempo todo, a criança não se torna independente de nós. Ela precisa da gente, o-tempo-todo. Se o ambiente fala com ela, se ele explica para ela os pontos sobre os quais ela precisa trabalhar, então esse desenvolvimento ocorre de si-para-si, e ela é capaz de compreender-se e compreender o mundo ainda melhor, por meio desse trabalho interior.

Alguns exemplos podem ajudar a compreender. Nós costumamos rodear a criança de tudo o que não quebra, para que ela possa ter total liberdade de movimento. Entretanto, uma liberdade sem direção não leva a lugar algum. A criança que usa um copo que não quebra, joga esse copo no chão se sente alguma emoção negativa, porque sabe que nada vai acontecer. Uma criança que usa copos de vidro não age assim – ou age assim com muito menos frequência, para evitar universais – porque sabe que causará uma consequência definitiva.

A criança que mora em uma casa cujos móveis têm tecidos escuros ou impermeáveis não pode perceber a sujeira que causa quando sobe em algo de sapato ou quando deixa cair qualquer líquido. Toalhas de mesa entram nessa também. Vale a pena apostar no tecido claro, talvez num tecido protetor claro, no caso dos móveis, para que a criança possa enxergar a consequência de seu comportamento.

Quanto à mobília, o mesmo é verdadeiro. A mobília leve ajuda a criança a notar quando sua movimentação é descontrolada. Ela esbarra e as coisas se mexem, fazendo barulho. Isso a ajuda a não esbarrar da próxima vez. Mobília pesada, fixa, não mostra para a criança o resultado de suas ações.

Fala-se muito da correção e até do castigo como consequência. Está errado. Nós não “damos consequência” para a criança. Deixar a criança sem ir ao parque porque ela sujou/quebrou/derrubou não é dar consequência. É dar castigo. Consequência o ambiente mesmo dá, e com ele a criança aprende. Isso se chama controle do erro, essa consequência natural provocada pelo ambiente que responde às ações da criança.

 

Qualidade 2) Estética

A beleza não é opcional no ambiente da criança. Ela é absolutamente necessária. Uma beleza quase sublime, cuidadosa, pontual. Um amontoado de coisas sem sentido, como são quase todos os quartos infantis, e infelizmente muitos dos modernos quartos montessorianos, é feio, sem sentido e confuso. A beleza é pensada, cuidada, quase exata, e muito humana. É belo verdadeiramente o por-de-sol que poderíamos admirar por horas a fio, como fez o Pequeno Príncipe, que movia sua cadeira afim de rever o por-do-sol quarenta vezes, em um dia de especial tristeza.

É belo o céu estrelado, sob o qual nos deitamos e ao qual assistimos não fazer nada, a conversar com um amigo ou companheiro, por tempo sem fim. É linda a praia, a floresta, e é linda a flor e cada uma de suas pétalas, é belíssima a libélula que toca a água muito brevemente à caça de comida e gera círculos perfeitos, que só vão se quebrar à borda dos lagos. A criança quando encontra um pedaço de pedra no chão, um animalzinho novo, ou uma flor, e agacha-se para poder explorar e conhecer melhor, descobrir mais um detalhe do mundo, encaixar mais uma peça do infinito quebra-cabeças, que quando adultos esquecemos de completar.

É essa a beleza que devemos levar para nossos lares, se desejamos que sejam ambientes propícios ao desenvolvimento infantil. Poucos brinquedos, de cores bem definidas, atraentes com certeza e até brilhantes, mas não exageradas em número. Um dos materiais mais fundamentais dentro de Montessori é a Caixa de Cores, que contém 64 pequenos pedaços de madeira coloridos ou envoltos em seda tingida. São 64 cores, com certeza uma imensidão de cor e brilho. Mas são 64 cores que ficam dentro de uma caixa, que pode ser aberta e usada com beleza e cuidado pela criança, quando ela deseja. Não são 64 cores povoando e pululando no ambiente, a gerar tormentas mentais na criança que busca paz e tranquilidade para se desenvolver.

Essa beleza está em ambientes muito bem organizados, em objetos bonitos. Num prato de porcelana cuidadosamente acabado e em um copo muito limpo e sem riscos no vidro. Está em roupas organizadas nas gavetas do guarda-roupa e em roupas que permitam à criança apreciarem as peças do que vai vestir como se estivesse em um museu, e não tanto em frente a um muro decorado por uma profusão de pichações coloridas. Essa beleza está em quanto pensamos naquilo que deixamos à disposição da criança e quando consideramos com cuidado cada elemento do espaço onde ela viverá.

 

Qualidade 3) Atividade

Esta característica diz mais respeito aos brinquedos e objetos úteis do ambiente. Não vale o brinquedo que brinca sozinho. Lembram do cachorrinho que, bastava ligar, saia dando cambalhotas? Esse brinca sozinho, como brincam sozinhos os brinquedos em que basta apertar um botão para sair um som. Se queremos um brinquedo com som, por que não um sino? Um chocalho? Um pau de chuva?

Os materiais colocados à disposição da criança devem inspirar sua atividade. Devem servir à mais íntima necessidade de movimento, de descoberta e de organização mental. Quanto aos brinquedos que chamam a atividades demais, não servem também. Aquele, que tem quatro espaços em cima, cada um de uma cor e uma forma, mais dos espaços ao lado, além de seis peças coloridas de formatos semelhantes aos dos buracos, somados a oito pequenas portas, quatro de cada lado do brinquedo, que podem ser abertas por outras oito pequenas chaves coloridas, e que tem uma alça para que sirva como malinha onde se leva a infinidade de peças e chaves… Isso não serve para nada.

Nenhum adulto tem um só objeto com mais de dezessete opções de ação. Cada coisa tem seu propósito no mundo. Um brinquedo de encaixes é bem vindo. Um com dezesseis encaixes diferentes, coloridos, que abrem-e-fecham, é muito. É necessário pensar em brinquedos que permitam à criança que aja, e não que se ocupe. E é diferente.

Quando ela vai à cozinha, encontra as panelas e as derruba todas de uma vez do armário, para depois sair andando à busca de outras novidades, isso é uma criança só se ocupando. Quando ela retira os potes do armário e começa a encaixar um no outro, ou a tentar tampar um por um, isso é ação, com propósito, com finalidade real, e que ajuda no desenvolvimento. Isso leva a criança a um grau de concentração lindo de ver, e que nós devemos ajudar a surgir por meio dos brinquedos, objetos e materiais adequados.

 

Qualidade 4) Limites

Imagine-se por um momento em uma floresta. Sem trilha e sem bússola. No fim da tarde. Imagine que você pergunta a alguém a direção em que deve seguir para chegar a um local determinado, e imagine também que a pessoa lhe oriente corretamente: “Basta seguir reto, até amanhã cedo, você chega”. Você começa a andar. A probabilidade de você se perder e não chegar nunca, havemos de concordar, é altíssima. Para a criança, a vida é assim.

Se a criança tem coisas demais em seu ambiente, caminhar na direção de seu desenvolvimento é um desafio difícil demais, complexo demais. Não é simples. E precisa ser simples. Por isso, devem figurar nesse ambiente umas poucas coisas, que ajudem no momento do seu desenvolvimento, que sejam exatas para suas necessidades. Para entender exatamente essas necessidades, refira-se a textos sobre Períodos Sensíveis e sobre desenvolvimento do movimento das mãos, aqui no Lar Montessori e em outras páginas.

É muito difícil aceitar que a relação entre melhor desenvolvimentomais atividades ou mais auxílio não é direta, e ela não é direta. Em uma floresta como a que falamos acima, não é necessário derrubar todas as árvores, fazer uma estrada e colocar sinalização a cada dois metros. Só é necessário abrir uma trilha visível e colocar algumas placas de madeira ou pedra. Quem sabe baste uma bússola e um mapa. Mas é necessário alguma coisa.

E essa alguma coisa tem como finalidade colocar ordem na mente do caminhante. Ajudá-lo a organizar seu ambiente mentalmente. O excesso de brinquedos ou materiais (em casa ou na escola) é prejudicial, é como se além de todas as árvores, plantas e caminhos possíveis na floresta, ainda tivéssemos muitos rios e uma plaquinha com o nome de cada árvore por onde passamos. É informação, é caminho possível, mas é confuso, e só dificulta. É muito mais fácil se orientar em um bosque, por exemplo, ou em uma floresta aberta, e com uma bússola e uma trilha que, porque diminuem a quantidade de opções, facilitam a tomada de decisões corretas.

 

Como uma conclusão.

Montessori não é para ser um problema a mais na sua vida, uma árvore a mais em uma floresta na qual você está perdido. Não é para ser uma referência a mais na multiplicidade de referências sobre criação de crianças a que você tem acesso, gerando mais dúvidas e mais confusão, e piorando o chão firme, e não tão firme, sobre o qual você pisa para criar seus filhos.

A ideia de Montessori é ser uma trilha, um conjunto de placas, e uma bússola. Um caminho simples, belo, cheio de atrativos interessantes e ocasiões de encanto, mas um caminho simples, compreensível, que você pode percorrer. Porque Montessori dá certo com qualquer criança, em qualquer ambiente, em qualquer lugar do mundo em qualquer época (e é necessário muita coragem para dizer isso, mas também uma certeza absolutamente científica do que se diz), por causa de tudo isso, é possível afirmar para você: invista um pouco do seu tempo para entender Montessori.

Supere a fase de achar que tudo isso é complexo demais, e estude mais um pouco. Debaixo de uma quantidade imensa de informações, você vai encontrar um sistema muito bem definido, construído sobre sólidas bases de investigação científica, e um método que pode realmente ajudar você a simplificar sua vida e sua forma de criar as crianças. Durante esse processo, conte conosco. E depois desse processo, volte para contar como está sendo usar essa bússola, caminhar por essa trilha, e se encantar com cada sorriso aberto, olhar fascinado e disposição contente de seu filho em relação à vida e ao mundo, todos os dias.

 

ambiente

Períodos Sensíveis I – Visão Geral

Publicado em

 

períodos sensíveis

 Maria Montessori foi a primeira pessoa a compreender integralmente o desenvolvimento da criança. Nesta busca, percebeu algumas características muito peculiares aos seis primeiros anos de vida. Entre os pontos mais importantes estavam os períodos sensíveis, uma sequência de despertares da consciência da criança para o mundo que a rodeia. Esta sequência não é feita de acasos, mas é organizada biologicamente para o desenvolvimento ideal do ser humano.

Por meio de observações, Montessori descobriu os períodos sensíveis típicos de cada idade da criança, e percebeu que eles são bastante regulares em todos os lugares do mundo, sem que haja influência de culturas ou hábitos familiares na ocorrência destes períodos, mas somente sobre o perfeito desabrochar de cada um deles.

Os períodos sensíveis precisam ser trabalhados nas épocas em que aparecem. A exploração daquilo que chama a atenção da criança em um determinado período tem importância ímpar para seu desenvolvimento, e não é possível recuperar o desenvolvimento que se realizaria em um período depois que ele passou, embora o aprendizado objetivo, em si, possa ser desenvolvido por pressão externa ou força de vontade interna da criança.

Um ponto que vale ser ressaltado neste sentido é que a criança fará tudo o que estiver ao seu alcance para se desenvolver plenamente, e nos basta ajudar muito bem. Quando a criança busca realizar algo em prol de seu desenvolvimento e é impedida, ou não é ajudada, irrita-se em sua impotência e, diante de suas poucas possibilidades, chora, esperneia, faz “escândalos”. Estes escândalos, que nós costumamos interpretar como caprichos ou manifestações de fraqueza de caráter, são em diversos momentos apelos desesperados pelo nosso auxílio. Por isso, é importante conhecer o desenvolvimento da criança a fundo e compreender seus períodos sensíveis.

Aparentemente, não existe uma ordem na sequência de períodos, e para nós eles podem parecer um tanto quanto caóticos. Entretanto, observando as crianças, percebemos com facilidade que o bom desenvolvimento de um dos períodos é essencial para o desenvolvimento perfeito de alguns outros. Isto é bastante óbvio quando pensamos nos movimentos e na linguagem, mas pode parecer nebuloso quando o tema é “música e ritmo” ou “graça e cortesia”. Nós veremos, porém, que tudo tem seu motivo e pode ser compreendido dentro do conjunto maior do desenvolvimento da criança, na direção da conquista de sua independência.

Nesta série de artigos, faremos um revisão breve sobre cada um dos períodos sensíveis. Alguns, como o movimento e a linguagem, receberão atenção especial, tendo um artigo só para si. Outros serão abordados em conjunto dentro de um só artigo. Nossa intenção é desenvolver artigos sobre este tema até a metade de junho, explorando com cuidado e atenção todos os pontos importantes do desenvolvimento da criança. Esperamos seus comentários, sugestões e contribuições a esta série, e seus depoimentos são sempre bem vindos. Hoje, logo depois deste artigo, publicaremos o que trata do “Movimento”. Boa leitura!

O Quarto Montessoriano

O Lar Montessori gostaria de fazer um pedido. Se você tem um blog e quer escrever sobre o quarto montessoriano, mas ainda não tem informação suficiente para produzir um texto completo, você pode copiar trechos do nosso, ou até mesmo o texto integral. Só pedimos que você mantenha, explícita e honestamente, a referência ao Lar Montessori.

Para compreender melhor este artigo visite o blog
How we Montessori“. Há lá fotos belíssimas.

Em vários artigos deste blog o quarto montessoriano é mencionado, mas percebi há poucos dias que em nenhum dos textos eu o detalhei com cuidado. Como há cada vez mais textos e reportagens sobre o quarto montessoriano, com boa e má qualidade de informação, achei uma boa ideia escrever, pela primeira vez, um texto em detalhes sobre o quarto da criança em Montessori.

O primeiro passo para a montagem de um quarto infantil é adotar o ponto de vista da criança. Aquilo que ela puder acessar deve ficar ao nível de suas mãos. Os brinquedos dela são dela, e podem ser deixados em prateleiras baixas o suficiente para que os alcance. O mesmo se pode dizer de suas roupas. Se queremos que a criança se vista sozinha um dia, e saiba escolher o que vestir, devemos deixar pelo menos algumas de suas peças disponíveis para o acesso.

O ponto de vista da criança não é só a altura de seus olhos ou o alcance de seus braços, mas o comprimento de suas pernas. Um quarto muito grande no qual haja brinquedos e materiais por todas as paredes é pouco prático, caro, dá trabalho para limpar e organizar e a criança não consegue de nenhuma forma controle total sobre seu ambiente.

Então, aqui, vamos abordar três grandes tópicos:
1. A Cama
2. A Mobília
3. Os Estímulos

A cama da criança pode ser mesmo uma cama. Não precisa ser um berço, e eu vou dizer isso de novo: não precisa ser um berço. Quando comecei a estudar Montessori em casa, me parecia radical demais tirar o berço. Mas só é assim porque culturalmente somos criados para pensar que ele é necessário. Em dezenas de outras culturas (que não a branca ocidental), as crianças dormem no chão, em colchões ou almofadas dos mais variados tipos, a depender do povo. O que nós defendemos, com uma abundância de evidências positivas bastante animadora, é que a criança pode, sem risco de saúde ou segurança, dormir em um colchão, que pode ser colocado direito sobre o chão ou sobre um estrado baixo ou uma camada de borracha, para isolá-la da temperatura do piso.

Quando o bebê é pequeno, muitos pais gostam de proteger este colchão com almofadas, em volta, para que a criança não corra o risco de cair durante a noite. É uma ideia que pode ser boa, especialmente se o piso é frio, mas que não é essencial uma vez que a criança ultrapasse os primeiros meses de vida. Em nenhum momento uma cerca é necessária. A criança não precisa ficar presa se o quarto for adequado a ela, basta que fique segura. Até a possibilidade de cair é importante, porque a criança aos poucos aprende a controlar seu corpo durante o sono – Durante o dia, deixe a cama sem proteção alguma, para que seja fácil para seu filho subir e descer da cama quando desejar.

Ao lado do colchão, você pode deixar um tapete longo, para que a criança não pise direto no chão gelado quando acordar. Isso não é uma recomendação estritamente montessoriana, mas a tensão imediata dos pés de manhã cedo pode ser bem desconfortável e tensionar o corpo todo em seguida. Se o quarto for pequeno, ou se o piso for de madeira, isso é menos necessário.

Muitos leitores nos questionam sobre a cama compartilhada. Havia uma passagem aqui, que não advinha estritamente de Montessori. Optamos por editar o texto. Montessori não faz nenhuma observação sobre o compartilhamento de cama, e há inúmeros argumentos, na obra de Montessori, que podem ser usados com igual justiça a favor e contra a cama compartilhada. Por isso, não nos manifestamos aqui.

A mobília do quarto infantil é simples. Não é necessário haver nada muito sofisticado, mesmo! As crianças gostam de ser, muito mais que de ter. Se pudermos proporcionar a elas a possibilidade de se tornarem seres humanos plenamente desenvolvidos, isso já as satisfaz. Assim, poucas coisas são realmente necessárias no quarto infantil: um espelho horizontal baixinho; estantes baixinhas; uma barra na parede; espaço livre e uma janela que ilumine bem o cômodo.

O espelho é interessante por diversos motivos. A criança pequena gosta muito do rosto humano. Por algum motivo biológico mesmo, é algo que lhe agrada. Assim, poder ver um rosto humano a qualquer momento sempre é bom. Fora isso, é importante para o bebê reconhecer seu próprio rosto, as possibilidades de movimento dele e as partes de seu corpo. Isso não se dá de forma consciente e nem é um processo imediato. Mas não temos pressa. O tempo da criança é interno a ela e nossa tarefa é só ajudar. Fora isso, enxergar-se pode ajudar a criança a se reconhecer como indivíduo, auxiliando no desenvolvimento da autonomia e da força de vontade. Por motivos de segurança, o espelho precisa ser muito bem preso. Pode ser de vidro, bastando ser bem colado em uma placa firme de madeira ou MDF.

As estantes baixas não precisam ser construídas à parte – embora possam, se você assim o desejar, e isso só será positivo. Você pode adaptar os armários que já existem, tirando suas portas, colocando puxadores mais para baixo ou simplesmente deixando as portas sempre abertas. Usar as gavetas de baixo para colocar as roupas às quais a criança pode ter acesso também é uma boa ideia. Você não precisa nem deve colocar todos os brinquedos e todas as roupas à disposição do seu filho de uma só vez. No livro Montessori: The Science Behind the Genius, Lillard explica que até seis opções são uma boa ideia, porque aumenta a sensação de bem estar da criança. Mais que isso começa a ser demais e muito mais que isso fica realmente confuso. Você pode praticar uma rotação de objetos e deixar sempre presentes aqueles que a criança gosta mais e ir trocando aqueles que ela escolha com menos frequência.

A barra na parede tem uma utilidade só: ajudar a criança a andar, sem depender da ajuda direta dos pais. Pode-se pendurar objetos nesta barra, com espaços de intervalo, para que a criança tenha objetivos a atingir quando tentar caminhar. A utilização da barra precisa ser ensinada, claro, devagar, passo a passo, e quando você perceber que seu filho está tentando levantar e dar os primeiros passos. A barra poder ser daquelas de cortina, mesmo, bem presas a mais ou menos 50cm do chão- isso vai variar conforme a altura de seu filho.

O espaço livre aumenta se o quarto é feito seguindo algumas dessas dicas. Diminuem os móveis, e a dimensão dos que sobram é menor. Assim, a criança tem mais espaço para brincar, aprender, se mover e ser livre. A janela é importante para que haja luz natural no quarto, que faz sempre bem.

Os estímulos de que a criança precisa são os do mundo que a cerca. Os brinquedos e os materiais, assim como os livros, não precisam ser muitos e nem muito sofisticados. Madeira e metal são os melhores materiais para brinquedos, porque realmente oferecem prazer para os sentidos, muito mais que plásticos.

Um dos materiais mais interessantes para a criança pequena é a Cesta dos Tesouros, que você pode ver clicando aqui. Para bebês novinhos, móbiles são uma boa ideia também – você pode ver mais sobre eles aqui e aqui. Tome uma precaução quanto aos móbiles: evite colocá-los sobre a cama ou sobre o colchão da criança. Esses são espaços de dormir. Os móbiles devem ficar em espaços de movimento, como diante do espelho, por exemplo.

Os livros não precisam ser materiais sensoriais. Eles podem ser só de leitura, e o exercício de abrir, ver figuras e virar páginas já será interessante para a criança. Especialmente se os pais lerem para a criança e para si mesmos (é muito, muito importante que os pais leiam como atividade de lazer, sozinhos, para estimular a leitura nas crianças). Evite a todo custo livros que emitam sons. Excessos de estímulos não fazem bem para a criança e fazem com que a atenção dela seja desviada de qualquer foco possível.

Vale a pena ter instrumentos musicais e um rádio, no qual podem tocar, por períodos do dia, músicas de compositores clássicos, em geral adorados pelos pequenos. Os instrumentos podem ser uma flautinha doce simples e boa, um violão, um chocalho ou um tambor.

~

O Quarto Montessoriano é um dos temas mais discutidos no grupo do Facebook “Montessori para Mamães”, no qual papais e educadores também são muito bem vindos e você pode encontrar boas informações nos seguintes links:

Vídeo de um lindo bebê em uma cama montessoriana:

Reportagem do iG Delas:
http://delas.ig.com.br/filhos/2012-11-01/seu-filho-precisa-mesmo-de-um-berco.html
Blog Potencial Gestante:
http://potencialgestante.com.br/tag/quarto-montessoriano/
Montessoriando – Quartos para recém nascidos (Fantásticas ilustrações):
http://montessoriando.blogspot.com.br/2012/05/quarto-montessori-para-recem-nascidos.html
Montessori & Família (blog do Montessori para Mamães):
http://montessoriefamilia.blogspot.com.br/2012/05/um-outro-conceito-sobre-quartos-de.html

Manual do Proprietário de uma Criança Montessori

Texto de Donna Bryant Goertz, disponível em http://mariamontessori.com/mm/?p=1674 – Tradução de Gabriel Merched Salomão distribuída com autorização da autora

Queridos pais,

Eu quero ser como vocês. Eu quero ser exatamente como vocês, mas quero me tornar como vocês do meu jeito, no meu tempo, pelos meus esforços. Quero assistir a vocês e imitar vocês. Eu não quero ouvir vocês, a não ser por umas poucas palavras de cada vez – a menos que vocês não saibam que eu estou ouvindo. Eu quero trabalho, quero realmente me esforçar com algo muito difícil, algo que eu não consiga fazer imediatamente. Eu quero que vocês deixem o caminho livre para os meus esforços, e quero que me dêem os materiais e ferramentas necessárias para que o sucesso seja possível depois das dificuldades iniciais. Eu quero que vocês me observem e vejam se eu preciso de uma ferramenta melhor, um instrumento mais do meu tamanho, uma escada mais alta e mais segura, uma mesinha mais baixa, uma caixa que eu mesmo possa abrir, uma estante mais baixa, ou uma demonstração mais clara de algum processo. Eu não quero que vocês façam para mim, ou me apressem, sintam pena ou me parabenizem. Só fiquem calmos e me mostrem como fazer as coisas devagar, muito devagar.

Eu vou querer fazer um trabalho todinho de uma vez e sozinho porque eu vejo vocês fazendo, mas isso não funciona para mim. Sejam firmes e coloquem limites para mim nessa hora. Eu preciso que vocês me dêem pequenas partes do trabalho inteiro e me deixem repetir de novo e de novo, até que eu faça tudo perfeitamente. Vocês dividem o trabalho em partes que serão muito difíceis, mas possíveis de fazer com bastante esforço, com muitas repetições e com muita concentração.

Eu quero pensar como vocês, comportar-me como vocês, e ter os mesmos valores que vocês. Eu quero conseguir tudo isso pelo meu trabalho, imitando vocês. Falem devagar. Usem poucas e sábias palavras; Movimentem-se devagar; Façam as coisas em câmera lenta para que eu possa absorvê-las e imitá-las.

Se vocês confiarem em mim e me respeitarem, preparando meu ambiente doméstico e me dando liberdade dentro dele, eu vou me disciplinar e cooperar com vocês mais pronta e frequentemente. Quanto mais vocês se disciplinarem, mais eu vou me disciplinar. Quanto mais vocês obedecerem as leis do meu desenvolvimento, mais eu obedecerei vocês.

Nós temos tanta sorte, eu e vocês, que dentro de mim haja um plano secreto para o meu jeito de ser como vocês. Eu sou guiado pelo meu plano secreto. Eu sou feliz e estou seguro o seguindo. É irresistível para mim. Se vocês interferirem com o trabalho de me revelar de acordo com meu plano secreto e tentarem me forçar a ser como vocês do jeito de vocês, no tempo de vocês e pelo esforço de vocês, eu vou esquecer de trabalhar no meu plano secreto e vou começar a lutar contra vocês. Eu decidirei levantar guerra contra vocês e contra tudo o que vocês defendem. É minha natureza. É meu jeito de me proteger. Podem chamar isso de integridade.

Dependendo da minha personalidade, eu promoverei uma guerra mais aberta ou mais encobertamente. Eu brigarei mais ativa ou passivamente. Uma quantidade imensa de minha energia, do meu talento e inteligência será desperdiçada. Vocês vão ganhar no final, provavelmente, mas eu serei só uma versão mais fraca, uma substituição pobre, um molde tosco daquilo que eu sou capaz de ser, e vocês vão ficar exaustos. Por favor, aliviem a tensão para todos nós preparando o ambiente em casa para que eu possa executar meu trabalho de criar um ser humano e vocês possam se manter no trabalho de educar um. Eu farei o que faço melhor e vocês farão o que fazem melhor.

Eu sou capaz de ser o melhor exemplo de suas melhores qualidades e valores expressos do meu jeitinho. Se vocês prepararem a casa cuidadosa e completamente para mim, mantiverem meus materiais em ordem e em bom estado, colocarem limites claros e firmes, derem-me períodos longos e lentos para trabalhar no meu plano secreto, eu farei o trabalho de desenvolver um novo ser humano – eu! Eu mencionei que preciso dos materiais em todos os ambientes da casa? Eu preciso de materias disponíveis para acesso rápido e fácil, sempre que eu estiver em casa e onde quer que vocês estejam. Eu preciso ter a opção de trabalhar e brincar perto de vocês. Na maior parte do tempo, eu preciso fazer as atividades perto da estante ao qual elas pertencem para que eu crie o hábito de guardá-las depois de usar.

Meu plano secreto para me desenvolver é executado totalmente pela mão – mãos, digo, as minhas duas, para ser exato. Eu sou um bom artista, um excelente artesão e preciso das melhores ferramentas e materiais. Não me dê coisas inúteis e em excesso, só uns bons materiais que sejam completos e estejam em bom estado. O excesso é pior que desnecessário; é perturbador. Atrapalha meu processo criativo. Me deixa irritado e eu coopero menos com vocês. Eu sei que é difícil de acreditar que por meio das atividades que eu escolho e executo independentemente e em estado de profunda concentração eu esteja desenvolvendo meu caráter, mas é verdade. Eu não posso fazer um bom caráter com um excesso de coisas inúteis e no meio da bagunça.

Minha casa é meu estúdio e meu ateliê, então por favor, certifiquem-se de que ele seja calmo e pacífico. Coloquem músicas leves e tranquilas para tocar enquanto eu estiver acordado. Assistam televisão só depois que eu estiver dormindo. Enquanto estou acordado, faço todo o barulho de que preciso. Ah, e eu preciso que tudo fique em ordem. Eu não posso dar o melhor de mim na bagunça. Eu não sei como ordenar as coisas sozinho, mas eu preciso da ordem, então eu preciso que vocês arrumem tudo para mim pelo menos três vezes por dia. Se vocês ordenarem as coisas para mim de um jeito prático e que seja esteticamente prazeroso e faça sentido para o meu raciocínio lógico, eu vou, devagarinho, imitar vocês mais e mais.

Em algum momento, vocês poderão me mandar colocar as coisas no lugar sozinho, quando eu tiver uns seis anos, desde que vocês se lembrem de checar tudo comigo até os nove anos. Eu não consigo lidar com o acúmulo de um dia inteiro de coisas para guardar, e muito menos o de uma semana inteira. Eu certamente nunca serei capaz de lidar com um mês de bagunça. Se vocês se distraírem e esquecerem de me ajudar a guardar tudo durante o dia e a bagunça se acumular, vocês vão ter que guardar tudo à noite.

Eu odeio ser tão exigente, mas eu preciso ter todos os meus objetos organizados e dispostos em conjuntos completos que eu possa alcançar, de forma que eu possa pegá-los sozinho. Se eu tiver de pedir para vocês toda vez que precisar de alguma coisa, eu vou começar a me sentir um capitão, um general ou um inválido chorão. Parem e pensem, eu realmente poderia assumir um ou outro desses papéis. Nenhum de nós deseja isso. Eu preciso de independência como eu preciso de oxigênio. Ela me faz apresentar o melhor de mim. O tempo que vocês gastam organizando meu ambiente será o tempo que vocês economizarão não tendo que lidar com meu lado petulante, rebelde e teimoso.

A televisão é uma grande interrupção no meu desenvolvimento. Desculpe! Eu sei que vocês não querem ouvir isso: eu preciso de muitas atividades manuais e preciso de muito tempo de processamento. A TV me distrai das atividades mais importantes e enche minha cabeça com mais do que eu tenho tempo para processar. Leiam para mim todos os dias, porque a leitura vai devagar, e me dá tempo para processar junto. A TV me amontoa com mais do que eu sei usar, então ou eu desligo ou fico frenético. Eu sei que vocês podem achar que alguns programas são bons para mim, e vocês podem achar que merecem a folga que a TV dá para vocês, mas nós todos pagamos um preço alto para cada meia hora que eu assistir.

Eu não resisto à TV, mas tudo bem, porque qualquer criança de três a seis anos tem pais, e é para isso que os pais servem. A TV me deixa distraído, irritado, e me faz não cooperar com vocês. Quanto mais eu assistir, mais eu quero assistir, e aí surgem problemas entre nós. Se vocês não conseguem dizer não para o hábito de ver TV agora, onde está meu exemplo para dizer não para outros maus hábitos mais tarde? Além disso, quanto mais eu vejo TV, menos eu quero ser como vocês. Lembrem-se, eu imito o que assisto. Ah sim, cuidado também com os jogos de videogame e computador pelos quais eu vou implorar e que todos os meus amigos têm. Sei que vocês conseguem!

Geralmente, eu vou estar tão concentrado nos meus trabalhos e brincadeiras que não vou ouvir vocês quando falarem comigo. Não piorem as coisas falando de longe ou repetindo o que vocês disseram. Abaixem-se até o nível dos meus olhos, pertinho do meu rosto, consigam minha atenção e olhem nos meus olhos antes de falar. Então, façam das suas palavras poucas, firmes e respeitáveis. Vocês vão economizar muito sofrimento desnecessário se lembrarem de fazer assim. Eu sei que não vai ser fácil lembrar, mas se vocês se esforçarem bastante, podem fazer disso um hábito. Afinal, se vocês não fizerem o que devem, como podem esperar que eu faça o que devo?

Se você não tiverem tempo, energia ou, odeio dizer isso, autodisciplina para seguir aquilo que vocês dizem, não digam. Ameaças vãs e promessas vazias me fazem desprezar vocês. Vocês ficam parecendo bobos, arbitrários e fracos. Eu sei que eu ajo como se quisesse conduzir o universo sozinho, mas é só bravata. Eu realmente preciso de pais para conduzirem meu mundo. Quando eu não posso confiar que vocês querem dizer o que dizem, eu não posso acreditar em vocês. Isso me faz sentir inseguro e eu chego a alguns extremos. É assustador porque eu amo vocês demais. Eu preciso respeitar vocês e acreditar que vocês querem dizer o que dizem. Vocês são a parte mais importante do meu ambiente em casa.

Vocês se alegrarão de saber que parte do meu plano secreto pede que eu ajude com a casa e o jardim. Não, não pode ser quando vocês quiserem, quando vocês tiverem tempo ou estiverem com vontade. Tem que ser quando eu me interessar. Desculpe, não dá para negociar isso. Afinal, sou eu quem está criando um ser humano aqui. Vocês só estão educando um. Bom, eu acho que não serei de nenhuma ajuda, na verdade, não imediatamente ou diretamente. Vai ser uma complicação. Eu preciso do equipamento no tamanho certo, de demonstrações cuidadosas e de muito tempo e paciência.

Assim que eu tiver dominado uma habilidade, e me tornar capaz de realmente ajudar, vou cansar e escolher não fazer aquilo de novo. Aí eu vou querer aprender algo novo, que exija ainda mais habilidade e desenvoltura e vocês vão ter de começar tudo de novo. Isso vai acontecer mais ou menos uma vez por semana pelos próximos seis anos e vai ocupar bastante do seu tempo tão valioso e escasso. No longo prazo, no entanto, vai ser de grande ajuda, porque eu vou me sentir tão envolvido com a casa e com a família que serei muito mais razoável e cooperativo quanto aos nossos valores e regras. Eu também serei tão capaz, independente e auto-suficiente quando eu tiver uns nove anos que é bastante razoável esperar que eu faça minha parte na casa e no jardim. Eu terei desenvolvido obediência.

Eu sei que minhas necessidades são grandes e muitas. Eu sei que estou pedindo muito de vocês, mas vocês são tudo que eu tenho de verdade. Eu amo vocês e eu sei que vocês me amam além da razão e dos limites. Se eu não puder contar com vocês, com quem eu contarei? Mas não vamos fantasiar. Não precisa ser perfeito. Eu sou forte e resistente. Eu sobreviverei e farei o melhor. Só achei que vocês poderiam querer ter o capítulo sobre Cuidados Básicos com o Ambiente Doméstico do Manual do Proprietário sobre uma Criança Montessori. Vocês podem fazer os próximos três anos serem muito mais divertidos para nós todos se cuidarem de mim conforme minhas necessidades. Ei, nós podemos combinar que vamos satisfazer 50% das minhas necessidades? Ok, Ok, 25% e não se fala mais nisso.

Amor, abraços e beijos,

Seu filho de três a seis anos.

 

PS: Eu sei que tenho muita sorte. Não são muitos os filhos cujos pais vão realmente ouvir e atentar para suas necessidades em vez de ceder às teimosias e chororôs. Talvez eles temam que seus filhos deixem de amá-los. Talvez temam que seus filhos não sejam populares. Eu vou guardar isso para o Capítulo Seis.

Quanto mais eu assistir TV, mais eu vou reclamar por tédio, porque aos poucos eu vou perder minha tendência natural a seguir meus Períodos Sensíveis – sabem, aquela atração a certas atividades durante períodos determinados do desenvolvimento. Sem a interferência da TV, uma incansável sensação de insatisfação criativa me leva a explorar o ambiente, focar minha atenção em uma atividade, concentrar-me nela, e repeti-la. Sob a influência da TV, a mesma sensação incansável se torna um monstro de cara feia chamado “tédio”, que tiraniza a vocês e a mim, desgasta nossa relação e compromete meu melhor desenvolvimento.

 

dbg

Donna Bryant Goertz, fundadora da Austin Montessori School, em Austin, Texas, atua  como uma fonte para escolas ao redor do mundo. O livro de Donna, “Children Who are Not Yet Peaceful: Preventing Exclusion in the Early Elementary Classroom” baseia-se em seus trinta anos de experiência guiando uma comunidade de trinta e cinco crianças entre seis e nove anos. Ela recebeu seu diploma de Ensino Básico Montessori da Fondazione Centro Internazionale Studi Montessoriani, em Bérgamo, Itália, e seu diploma de assistente para a infância pelo The Montessori Institute of Denver, no Colorado.

 

A Criança para Montessori

Publicado em
“A educação da criança muito pequena,portanto, não visa
prepará-la para a escola, mas para a vida”. (Montessori, 1967)
Quando Montessori inciou seu trabalho com crianças pequenas, não tinha nenhuma ideia pré-concebida, portanto, nenhum preconceito acerca da natureza da criança ou do que seria melhor para cada idade. Todo o seu trabalho foi desenvolvido tendo como base a observação do desenvolvimento infantil.
Montessori percebeu que a criança pequena (0-6 anos) tem algumas características sempre presentes, em qualquer classe social, etnia ou localização geográfica. E.M. Standing fez uma revisão da obra de Montessori e identificou estas características:
  •  Amor à ordem;
  •  Amor ao trabalho;
  •  Concentração espontânea;
  •  Apreensão da realidade;
  •  Amor ao silêncio e ao trabalho solitário;
  •  Sublimação do instinto de possessividade;
  •  Poder de agir por escolha;
  •  Obediência;
  •  Independência e iniciativa;
  •  Auto-disciplina espontânea;
  •  Alegria.
Como Montessori era uma cientista, antes de ser uma educadora ou uma ativista social, seu interesse maior era descobrir a criança, e não formatá-la. Daí podermos considerar naturais as características encontradas pela médica.

Montessori dizia que toda criança nasce com estas características, todas quando muito pequenas gostam de ambientes silenciosos, procuram estar ativas (interna ou externamente), são muito concentradas – e para isto basta ver uma criança pequena brincando de algo que lhe agrade -, o tempo todo querem entender o que se passa à volta delas, quando algo lhes desperta real interesse, passam muito tempo sozinhas em torno de seu foco de investigação, não têm noção clara de posse, não possuem rebeldia inata, por si mesmas aprendem a andar e falar, ainda que não ajudemos, sabem fazer muitas coisas e a hora de fazê-las, sem ninguém ensinar, e são alegres.

Muitas vezes, estas características parecem frutos de uma boa educação formal, mas na verdade estão presentes na criança sempre que ela é deixada em liberdade. Montessori considerava que as Casas das Crianças não eram formadoras, mas possibilitavam a construção da liberdade pela criança, de forma que aquelas belas características que haviam sido adormecidas por uma criação repressora em casa ou em outra escola voltassem à tona, desta vez de forma ordenada e em um ambiente preparado para elas.
Depois de observar crianças por muitos anos, em locais que Montessori considerava adequados ao pleno desenvolvimento de sua natureza, a pedagoga chegou à completude do diagrama abaixo:
De forma sucinta, as fases em azul são mais agitadas, de crescimento intelecto-sócio-emocional mais intenso e exigem tanto do ser em desenvolvimento que por vezes ele precisa de silêncio e solidão, pois está tentando absorver tudo o que seu corpo e intelecto exigem. Em uma escala crescente, no entanto, a criança se torna um adolescente e um adulto cada vez mais sociável.
Considerando as mudanças que ocorrem em alguns momentos da vida da criança, Montessori via não ser exagero dizer que “O crescimento é uma sucessão de nascimentos”. Dizia que, “Num certo período da vida, uma individualidade psíquica acaba e outra nasce”. Em todas as fases a ordem maior é proporcionar um ambiente preparado para a criança, com adultos preparados também, e depois deixar a criança livre para se desenvolver.
Na fase que vai de zero a seis (0-6) anos, a criança tem uma Mente Absorvente, estando pronta a absorver tudo o que vier do ambiente. “Este período é caracterizado pelas grandes transformações que têm lugar no indivíduo”, pois a criança aprende sem ser ensinada quase todas as habilidades necessárias à sua sobrevivência: come, anda, pega, fala, controla a própria atividade biológica até um certo limite e aprende a viver socialmente, ainda que com restrições impostas pelos adultos.
Há, na fase da Mente Absorvente, duas sub-fases: a primeira, de zero a três (0-3) anos, é inacessível para o adulto, não se pode exercer nenhuma influência direta sobre esta criança. Na segunda sub-fase a mente ainda é absorvente, mas agora já é acessível ao adulto – não é de se estranhar que por muitos anos a educação formal no Brasil tenha se iniciado aos seis anos, já que só então o adulto é plenamente capaz de acessar a mente da criança.
O período seguinte, de seis a doze (6-12) anos, é de crescimento, mas sem transformações, “é um período calmo e sereno”. Embora haja mudanças, não há nesta época nada que possamos chamar de “nascimento”, como ocorre aos seis anos.
Chamamos a terceira fase, de 12 a 18 anos, de “Filhos da Terra”. Nesta época, ocorrem tantas transformações “que nos lembra a primeira fase”. Assim como a Mente Absorvente, os Filhos da Terra têm duas sub-fases: a primeira dos doze aos quinze (12-15) anos, é de maior aprendizado e mais transformações, e a segunda, dos quinze aos dezoito (15-18) é aquela que prepara o indivíduo para a sociedade humana. Sobre a terceira fase, Montessori dizia que o homem deve aprender a criar, a cultivar, a desenvolver. Depois de estar plenamente desenvolvido, é hora de participar da comunidade, daí as ideias de Montessori de que se deve dar ao adolescente a oportunidade de agir socialmente, compreendendo os caminhos da produção e da economia, assim como percebendo as diferenças sociais e buscando soluções para problemas.
No período que vai dos doze aos dezoito anos, foram identificadas algumas características extremamente comuns (Donahoe, 2010), entre crianças que foram deixadas livres para se desenvolver em um ambiente preparado:

  •  Alegria;
  •  Altruísmo;
  •  Otimismo;
  •  Confiança;
  •  Dignidade;
  •  Auto-disciplina;
  •  Independência e iniciativa;
  •  Vontade de ser útil;
  •  Bom senso;
  •  Habilidade de trabalhar com os outros.
A maior parte das pesquisas de Maria Montessori se desenvolveram com crianças de 0 a 6 anos, e ainda bastante com aquelas de 6 a 12. Após os doze anos, no entanto, Montessori pesquisou muito pouco¹ e disse que apoiava as pesquisas que estavam sendo feitas levando em consideração seus princípios. Há muito mais descobertas interessantes sobre adolescentes vindo de pesquisadores de linha montessoriana do que da própria criadora do método.

Gabriel García Márquez, grande escritor e Nobel de Literatura, foi aluno Montessori e disse, depois de adulto:

“Eu não creio que haja método melhor que Montessori para fazer as crianças sensíveis às belezas do mundo e despertar sua curiosidade sobre os segredos da vida”.

__

STANDING, E.M. – Maria Montessori: Her Life and Work. New York: New American Library, 1962.
MONTESSORI, Maria – The Absorbent Mind. Lexington: BN Publishing, 2011.
DONAHOE, Marta – Liberty and Hope for the Adolescent: Valorization of the Personality, 2010.
¹Publicaremos em forma de e-book a tradução de “Filhos da Terra”, reflexões de Maria Montessori acerca do desenvolvimento e da educação do adolescente, ainda em 2012.